[1]
E. S. Wiviurka, “Sobre o Ativismo Judicial e a Posição de Robert George: entre o Estado de Direito e o Despotismo da Toga”, VJ, vol. 3, nº 5, p. 71-97, jan. 2019.