Etarismo Estrutural Feminino e a importância das políticas públicas de enfrentamento ao preconceito contra a mulher idosa no Brasil

  • Lidiane Moura Lopes Centro Universitário Sete de Setembro
  • Jeovânia Maria Cavalcante Holanda UNIFOR
Palavras-chave: Etarismo estrutural, Discriminação, Interseccionalidade, Políticas públicas

Resumo

O tema proposto nos leva à análise de dois fatores de discriminação: a idade e a condição de mulher, trazendo um estudo que perpassa pela noção de interseccionalidade, termo que pressupõe a incidência de mais de um fator de opressão, causador de exclusão. O objetivo geral da pesquisa é contribuir para a proposição de políticas públicas de enfretamento ao preconceito contra a mulher idosa, em razão da idade. A delimitação do tema na mulher idosa, se deve ao fato de que estatisticamente, os estudos apontam que a mulher é vítima do etarismo em proporções maiores que os homens, ao mesmo tempo que constitui um percentual também maior de pessoas que alcançam a terceira idade. A abordagem apresentada será feita de acordo com os instrumentos internacionais de proteção da mulher idosa, que nortearam sob o manto maior da dignidade da pessoa humana, a própria Constituição Federal de 1988, assim como dos microssistemas protetivos, com esteio principalmente, no Estatuto do Idoso e na Lei 11.340, de 2006, conhecida como “Lei Maria da Penha”, quando esse preconceito se exterioriza numa forma de violência praticada contra a mulher idosa, no âmbito das suas relações domésticas e familiares. Neste ensejo, abordaremos também algumas questões práticas, como a dúvida sobre as atribuições da Delegacia Especializada de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher e a Delegacia Especializada do idoso, quando a vítima é uma mulher idosa e sofre a violência no âmbito doméstico ou familiar. O estudo de casos julgados pelos Tribunais brasileiros e internacionais, em especial, os que foram decididos pela Comissão ou pela Corte Interamericana de Direitos Humanos, também auxiliarão na elaboração das possíveis contribuições na elaboração de políticas públicas. A pesquisa é de natureza dedutiva-indutiva, realizada através de uma revisão sistemática da literatura, com o emprego da abordagem qualitativa e da técnica de análise de conteúdo para leitura dos dados a apresentados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidiane Moura Lopes, Centro Universitário Sete de Setembro

Biografia da autora:
Doutora em Direito pela Universidade Federal do Ceará; pós-doutora pela Escola de Guerra Naval; Mestra em Direito pela UFPA

Jeovânia Maria Cavalcante Holanda, UNIFOR

Biografia da autora:
Mestre em Direito pela UNIFOR. 

Referências

ARANTES, Rosely Fabrícia de Melo. GUIA DE COMUNICAÇÃO COM PESSOAS VELHAS DO CAMPO PARA INICIANTES. Recife: Fiocruz, 2022.

BALZAC, Honoré. A Mulher de 30 anos. Tradução: José Maria Machado Revisão da Tradução: Osmar Portugal Filho. Editora Clube do Livro: São Paulo, 1988.

Bíblia Sagrada. Português. Nova Versão Internacional (NVI). 2011. Disponível em: https://www.bible.com/. Acesso em: 21 out. 2023.

BUCCI, Maria Paula Dallari. Direito administrativo e políticas públicas. São Paulo: Saraiva, 2002.

CEPELLOS, Vanessa Martines. FEMINIZAÇÃO DO ENVELHECIMENTO: UM FENÔMENO MULTIFACETADO MUITO ALÉM DOS NÚMEROS. Fundação Getúlio Vargas, Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Revista Pensata: Revista de Administração de Empresas, Volume: 61, Número: 2, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rae/a/9GTWvFfzYFnzHKyBhqGPc4j/#. Acesso em 10 out. 2023.

CRENSHAW, Kimberlé Williams. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory, and Antiracist Politics. University of Chicago Legal Forum, pp.139- 167, 1989.

DE BEAUVOIR, Simone. A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1970.

FREITAS, Lilliane Miranda; CHAVES, Silvia Nogueira. Diga-me tuas medidas e direi quem és: A padronização estética dos corpos pelos discursos biológicos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Vol. 13, nº 1, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4251. Acesso em: 15 out. 2023.

GOLDANI, Ana Maria. Desafios do "preconceito etário" no Brasil. Centro de Estudos Educação e Sociedade – Cedes: São Paulo, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/PBGcfLysHXVXtcfbrhJjdbF/?lang=pt#. Acesso em: 20 nov. 2023.

LIANG, Lilian; et al. Guia para Jornalistas na Cobertura do Envelhecimento. Dínamo Editora: São Paulo, 2017.

LIMA, Marcus Eugênio Oliveira; Pereira, Marcos Emanoel (orgs.). Estereótipos, preconceitos e discriminação: perspectivas teóricas e metodológicas. EDFBA: Salvador, 2004. Disponível em:https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/32112/1/Estere%C3%B3tipos%2C%20preconceitos%20e%20discrimina%C3%A7%C3%A3o%20RI.pdf. Acesso em: 10 out. 2023.

MENDES, Soraia da Rosa. Processo Penal Feminista. São Paulo: Atlas, 2020.

Organização Pan-Americana da Saúde. Relatório mundial sobre o idadismo.

Washington, D.C.: Organização Pan-Americana da Saúde; 2022. Licença: CC BY-NC-SA 3.0 IGO. Versão oficial em português da obra original em Inglês. https://doi.org/10.37774/9789275724453.

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. In: Revista Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45. Disponível em: https://www.scielo.br/j/soc/a/6YsWyBWZSdFgfSqDVQhc4jm/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 nov. 2023.

Publicado
14-12-2023
Como Citar
Lopes, L. M., & Holanda, J. M. C. (2023). Etarismo Estrutural Feminino e a importância das políticas públicas de enfrentamento ao preconceito contra a mulher idosa no Brasil. Virtuajus, 8(15), 55-70. https://doi.org/10.5752/P.1678-3425.2023v8n15p55-70