Sobre o Ativismo Judicial e a Posição de Robert George: entre o Estado de Direito e o Despotismo da Toga

  • Eduardo Seino Wiviurka

Resumo

Os limites e as possibilidades do exercício do poder jurisdicional é um dos grandes temas contemporâneos do Direito. No Brasil uma posição comumente defendida, e ratificada por juristas como Daniel Sarmento e Luís Roberto Barroso, é a defesa do ativismo judicial em certas circunstâncias. Entretanto, as críticas a essa posição são escassas ou pouco difundidas no meio acadêmico brasileiro. Nesse contexto, a presente pesquisa busca criticar os principais argumentos defendidos por tal posição a partir do pensamento de Robert P. George, que oferece contrapontos as justificativas comumente invocadas para legitimar um protagonismo judicial no contexto brasileiro. Em vários países surgem pesquisas relacionadas ao ativismo judicial, e devido às características compartilhadas nos sistemas jurídicos ocidentais modernos, é possível o intercambio de argumentos. Apesar das diferenças existentes entre o Brasil e os Estados Unidos, existem razões que podem ser invocadas que não se limitam às fronteiras. O presente estudo apresentará as justificativas e críticas ao protagonismo do Judiciário, e dessa dialética conclui que é mais plausível recusar o ativismo judicial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARROSO, Luís Roberto. Contramajoritário, representativo e iluminista: os papéis das cortes constitucionais nas democracias contemporâneas. 2015. Disponível em: <https://www.luisrobertobarroso.com.br/wp-content/uploads/2015/12/O-papel-das-cortes-constitucionais.pdf>. Acesso 13 fev. 2018.

DIALA, Anthony Chima. Judicial activism in South Africa’s constitutional court: minority protection or judicial illegitimacy? 2007. Disponível em: <https://repository.up.ac.za/bitstream/handle/2263/5322/diala.pdf;sequence=1>.

Acesso 13 fev. 2018.

GEORGE, Robert P (organizador). Great Cases in Constitutional Law. New Jersey: Princeton University Pess, 2000.

______. Judicial Activism and the threat to the Constitution. Family Research Council. 2005. Disponível em: <https://factsoffaith.org/library/general/1068-judicial-activism-and-the-threat-to-the-consitution-by-robert-p/download.html>. Acesso 13 fev. 2018.

______. Natural Law, the Constitution, and the Theory and Practice of Judicial Review, 69 Fordham L. Rev. 2269 (2001). Disponível em: <http://ir.lawnet.fordham.edu/flr/vol69/iss6/1>. Acesso 13 fev. 2018.

JEFFERSON, Thomas. From Thomas Jefferson to Abigail Smith Adams, 11 September 1804. Founders Online. Disponível em: <https://founders.archives.gov/documents/Jefferson/99-01-02-0348>. Acesso 13 fev. 2018.

SARMENTO, Daniel. O neoconstitucionalismo no Brasil: riscos e possibilidades. Revista Brasileira de Estudos Constitucionais, Belo Horizonte, v. 3, n. 9, jan. 2009. Disponível em: <http://bdjur.stj.jus.br/dspace/handle/2011/29044>. Acesso em: 29 nov. 2017.

SOUTO, João Carlos. Suprema Cortes dos Estados Unidos: principais decisões. 2. Ed. São Paulo Atlas, 2015.

STRECK, Lenio Luiz. Entre o ativismo e a judicialização da política: a difícil concretização do direito fundamental a uma decisão judicial constitucionalmente adequada. ESPAÇO JURÍDICO JOURNAL OF LAW. Joaçaba, v. 17, n. 3, p. 721-732, set./dez. 2016

ZIETLOW, Rebecca E., The Judicial Restraint of the Warren Court (and Why it Matters) (January 23, 2007). Ohio State Law Journal, Vol. 69, No. 2, 2008. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.960144>. Acesso 13 fev. 2018.

Publicado
29-01-2019
Como Citar
Wiviurka, E. S. (2019). Sobre o Ativismo Judicial e a Posição de Robert George: entre o Estado de Direito e o Despotismo da Toga. Virtuajus, 3(5), 71-97. Recuperado de https://seer.pucminas.br/index.php/virtuajus/article/view/19380
Seção
Dossiê Direito, Responsabilidade e Novas Tecnologias