Reflexões Acerca do Ativismo Judicial: os Riscos da Atuação Extralegal do Poder Judiciário

Palavras-chave: Poder Judiciário, Ativismo judicial, Relação entre Direito e Política, Judicialização da Política, Politização da Justiça.

Resumo

O presente trabalho tem como escopo realizar uma abordagem acerca do desenvolvimento e das diferentes manifestações do fenômeno do ativismo judicial na sociedade brasileira. Partindo de uma breve contextualização histórica sobre a ascensão institucional do Poder Judiciário, da ampliação de suas atribuições e em sua atuação como guardião da Constituição, apontando como tais modificações ensejaram uma modificação na relação entre os três Poderes, e também na relação entre Direito e Política na sociedade, considerando o exercício de poderes políticos que o Judiciário passa a exercer. Em seguida, apresenta uma abordagem das manifestações que decorrem de  tal mudança de atuação do Judiciário, que são os fenômenos do ativismo judicial, judicialização da Política e politização da Justiça, apontando como tais fenômenos geram uma confusão entre Direito e Política, e como tal confusão representa riscos para a ordem Constitucional, o Estado Democrático de Direito, a sociedade e para o próprio Poder Judiciário, adotando, a título de exemplo, decisões judiciais tomadas pelo Supremo Tribunal Federal com fundamento em argumentos de cunho político, social e moral, no lugar de argumentos jurídicos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mellissa Carvalho Moreira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Graduada em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Referências

REFERÊNCIAS

ALENCAR FILHO, José Geraldo. Judicialização da política e ativismo judicial: estudo dos motivos determinantes e limites da interpretação judicial. 2011. 126 f. Dissertação – Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade Católica de Pernambuco, Recife. Disponível em: <http://tede2.unicap.br:8080/bitstream/tede/479/1/dissertacao_jose_geraldo.pdf>. Acesso em 04 mar. 2018.

BARROSO, Luís Roberto. A razão sem voto: o Supremo Tribunal Federal e o governo da maioria. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 5, número especial, 2015, p. 23-50. Disponível em: <https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/RBPP/article/view/3180/pdf>. Acesso em: 11 maio. 2018.

BARROSO, Luís Roberto. Judicialização, ativismo judicial e legitimidade democrática. [Syn]Thesis, Rio de Janeiro, v. 5, número especial, p. 23-32, jun. 2012. Disponível em: <http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/synthesis/article/view/7433/5388>. Acesso em: 13 abr. 2017.

BARROSO, Luís Roberto. Jurisdição Constitucional: a tênue fronteira entre o Direito e a Política, [S.l]: Migalhas Jurídicas. 2014. Disponível em: < http://www.migalhas.com.br/arquivos/2014/2/art20140204-06.pdf>; Acesso em: 04 maio. 2018.

BRASIL. Código de Processo Civil. Brasília: Senado Federal. 2015.

BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

CAMPILONGO, Celso Fernandes. O Direito na Sociedade Complexa. 2. Ed. São Paulo, Ed. Saraiva, 2011.

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. Dimensões do Ativismo Judicial do Supremo Tribunal Federal. Rio de Janeiro, Forense. 2014. [E-Book].

CARVALHO, Ernani Rodrigues de. Em busca da judicialização da política no Brasil: apontamentos para uma nova abordagem. Revista Sociologia Política, Curitiba, v. 23, p. 115-126, nov. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsocp/n23/24626.pdf>. Acesso em: 28 jan. 2018.

CONFIANÇA do brasileiro no STF é maior do que na Justiça. IBOPE inteligência, [S.l.], 03 jan. 2013. Notícias & pesquisas. Disponível em: < http://www.ibopeinteligencia.com/noticias-e-pesquisas/confianca-do-brasileiro-no-stf-e-maior-do-que-na-justica/>. Acesso em: 23 maio. 2018.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. Jurisdição Constitucional Democrática. 2 ed. rev. e ampl., Belo Horizonte: Arraes editores, 2014.

ELÓI, André Luiz Vieira; TEIXEIRA, Paulo Enderson de Oliveira. Judicialização da política: o aumento das estruturas judicantes nas democracias contemporâneas e no Brasil. Revista Eletrônica do Curso de Direito – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Serro, n. 10, ago./dez. 2014. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/DireitoSerro/article/view/8549>. Acesso em: 27 jan. 2018.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. O papel político dado ao Supremo pela Constituição. [S.l.]: Consultor Jurídico, 2009. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2009-abr-08/papel-politico-dado-judiciario-constituicao>. Acesso em 12 maio. 2018.

GARCEZ, William. A presunção de inocência na visão do STF: o julgamento do HC 126.292. [S.l.]: Jusbrasil, 2016. Disponível em: <https://delegadowilliamgarcez.jusbrasil.com.br/artigos/308531136/a-presuncao-de-inocencia-na-visao-do-stf-o-julgamento-do-hc-126292>. Acesso em: 22 maio. 2018.

HC 152.752: Anotações para Manifestação oral Ministro Luís Roberto Barroso. [S.l.]: Consultor Jurídico, 2018. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/dl/anotacoes-manifestacao-oral-barroso.pdf>. Acesso em: 23 maio. 2018.

ITO, Marina. “Judicialização é Fato, Ativismo é Atitude”. [S.l.]: Consultor Jurídico, maio. 2009. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2009-mai-17/judicializacao-fato-ativismo-atitude-constitucionalista>. Acesso em: 22 maio. 2018.

MINISTÉRIO Público pede que STJ avalie suspeição de Moro para julgar Lula. Rede Brasil atual, [S.L.], 21 set. 2017. Política. Disponível em: <http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2017/09/ministerio-publico-pede-que-stj-avalie-suspeicao-de-moro-para-julgar-lula>. Acesso em 12 abr. 2018.

NOGUEIRA, Thúlio Guilherme Silva. Afinal, Qual o Alcance da Garantia da Presunção de Inocência no Processo Penal Brasileiro? [Florianópolis]: Empório do Direito, 2018. Disponível em: <http://emporiododireito.com.br/leitura/afinal-qual-o-alcance-da-garantia-da-presuncao-de-inocencia-no-processo-penal-brasileiro>. Acesso em: 23 maio 2018.

OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni; SILVA, Diogo Bacha; BAHIA, Alexandre Melo Franco de Moraes. Autocracia judicial? O poder judiciário e o risco do estado de exceção. [Florianópolis]: Empório do Direito, 2016a. Disponível em: <http://emporiododireito.com.br/leitura/autocracia-judicial-o-poder-judiciario-e-o-risco-do-estado-de-excecao-por-alexandre-gustavo-melo-franco-de-moraes-bahia-diogo-bacha-e-silva-e-marcelo-andrade-cattoni-de-oliveira>. Acesso em: 18 mar. 2018.

OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni; RIBEIRO, Douglas Carvalho; COSTA, Victor Cezar Rodrigues da Silva. Quem controla os controladores? A presunção de inocência, o STF e a sociedade aberta de intérpretes da Constituição para Leonardo Isaac Yarochewsky. Revista Empório do Direito, Florianópolis, 2016c. Disponível em: <http://emporiododireito.com.br/leitura/quem-controla-os-controladores-a-presuncao-de-inocencia-o-stf-e-a-sociedade-aberta-de-interpretes-da-constituicao-para-leonardo-isaac-yarochewsky-por-marcelo-andrade-cattoni-de-oliveira-douglas-carvalho-ribeiro-e-victor-cezar-rodrigues-da-silva-costa>. Acesso em: 22 maio. 2018.

OLIVEIRA, Rafael Tomaz de. Judicialização não é sinônimo de ativismo judicial. [S.L.]: Consultor Jurídico, 2012. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2012-dez-01/diario-classe-judicializacao-nao-sinonimo-ativismo-judicial>. Acesso em: 25 jun. 2017.

RAMOS, Elival Silva. Ativismo Judicial: parâmetros dogmáticos. 2 ed. São Paulo: Saraiva. 2015.

ROMÃO, Luís Fernando De França. A Politização do poder judiciário e as causas do ativismo judicial. Revista Eletrônica Direito e Política, Santa Catarina, v. 12, n. 1, p. 104-127, jan./abr. 2017. Disponível em: <https://siaiap32.univali.br//seer/index.php/rdp/article/view/10403/5820>. Acesso em: 26 abr. 2017.

SARMENTO, Daniel. (Coord.). Jurisdição Constitucional e Política. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

STF nega habeas corpus contra prisão de Lula; veja como foi o julgamento. Veja, [São Paulo], 4 abr. 2018. Política. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/politica/ao-vivo-stf-julga-habeas-corpus-contra-prisao-de-lula/>. Acesso em: 12 abr. 2018.

STRECK, Lênio Luiz. Hermenêutica jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito. 7 ed. rev. e atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

VIANNA, Luiz Werneck et. al. Judicialização da Política e das relações sociais no Brasil, Rio de Janeiro: Editora Revan, 1999.

VIANNA, Luiz Werneck; BURGOS, Marcelo Baumann; SALLES, Paula Martins. Dezessete Anos de Judicialização da Política. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 19, n. 2. p. 39-85. nov. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ts/v19n2/a02v19n2.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2018.

WACHELESKI, Marcelo Paulo. A judicialização das relações sociais e políticas: uma análise a partir do pensamento de Hannah Arendt. 2007. 183 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/teste/arqs/cp063596.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2018.

ZAULLI, Eduardo Meira. Judicialização da política, poder judiciário e comissões parlamentares de inquérito no Brasil. Revista de Informação Legislativa, v. 47, n. 185, p. 7-25. jan./mar. 2010. Disponível em: < http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/198655>. Acesso em 15 mar. 2018.

Publicado
29-01-2019
Como Citar
Moreira, M. C. (2019). Reflexões Acerca do Ativismo Judicial: os Riscos da Atuação Extralegal do Poder Judiciário. Virtuajus, 3(5), 213-234. Recuperado de https://seer.pucminas.br/index.php/virtuajus/article/view/18100