O Álcool e a Violência Doméstica: Efeitos e Dramas

  • Camila Requião Rosa Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa - FDUL
Palavras-chave: Álcool, violência doméstica, agressor e vítima, problemática familiar, hierarquização, vitimização, interdisciplinaridade, globalização, miserabilidade humana, problema social.

Resumo

O presente trabalho tem por estudo pensar o autor da violência doméstica como aquele que necessita de tratamento para além da punibilidade, por ser alcoolemico, e que carece de atenção e cuidados para tratar um problema tão grave quanto o da agressão que pratica e que, de forma alguma se deve justificar e perpetuar, mas necessário encontrar políticas de enfrentamento e solução dos problemas, tanto na esfera da vítima, quanto do agressor, já que demonstrado que a mera aplicação da lei em nada resulta.

Analisaremos a problemática do alcoolismo e o modo como este afecta às relações familiares dos indivíduos, bem como, o modo que acarreta na violência doméstica e porque o alcoolismo está diretamente ligado ao cometimento da violência doméstica, tendo em conta o nível pessoal do agressor, como doente, e o nível familiar, vítima que sofre e aceita a violência que a si é imposta.

Trataremos dessa relação de causa e efeito, principalmente, pela perspectiva da pobreza, que envolve a maioria das famílias em que o álcool é causa da violência doméstica, arreigados pelo patriarcado, e determinadas pelas relações de herarquia, ainda existentes, na sociedade, o objeto de estudo seja devidamente construído a partir de uma abordagem interdisciplinar, principalmente porque esta forma de criminalidade complexa está amalgamada aos fenômenos sociais próprios da globalização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Requião Rosa, Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa - FDUL

Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerias, campus Arcos 

Pós Graduada em Direito Penal pela LFG

Mestranda em Ciências Jurídico criminais na Universidade de Lisboa

Referências

ACOSTA, D. F.; GOMES, V. L. de O. G.; BARLEM, E. L. D. Perfil das ocorrências policiais de violência contra a mulher. Revista Acta Paulista de Enfermagem. 2013; 26(6): 547-56. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v26n6/07.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2014.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres - Presidência da República. Rede de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres. Brasília: Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres/Secretaria de Políticas para as Mulheres - Presidência da República, 2011.

COSTA, A. M. da; MOREIRA, K. de A. P.; HENRIQUES, A. C. P. T.; MARQUES, J. F.; FERNANDES, A. F. C. Violência Contra a Mulher: Caracterização de Casos Atendidos em um Centro Estadual de Referência. Rev. Rene: Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. Fortaleza: Editora UFC, v. 12, n. 3, p. 627-635, jul.-set./2011.

DILLING H, MOMBOUR W, SCHMIDT MH. Internationale klassifikation psychischer störungen. ICD-10, Kapiel V (F). Bern Göttingen Toronto/Seattle, 2000.

DUARTE, M. J. De O. Por uma cartografia do cuidado em saúde mental: repensando a micropolítica do processo de trabalho do cuidar em instituições. In BRAVO, M.I.S. et al. (Orgs.). Saúde e serviço social. 4. Ed. São Paulo: Cortez, 2009.

DUBOWSKI KM. Absorption, distribution and elimination of alcohol: highway safety aspects. J Stud on Alcohol 1985; (Suppl.10):98-108.

FONTES, V. Historicidade e subjetividade. Contradição e conflito, liberdade e determinação. In: FONTES, Vírginia. Reflexões im-pertinentes: história e capitalismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Bom Teto, 2008.

FREUD, S. Obras psicológicas completas. (Mal-Estar da Civilização). Rio de Janeiro: Imago, 1977.

GIFFEN, K. Violência de gênero, sexualidade e saúde. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, v. 10 (supl. 1), p. 146-155, 1994.

HABERMAS, J. A nova intransparência – a crise do Estado de Bem-Estar Social e o esgotamento das energias utópicas. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 18, p, 103-114, set. 1987.

HECKMANN, Wolfgang; SILVEIRA, Camila Magalhães. Dependência do álcool: aspectos clínicos e diagnósticos. Andrade AG, Anthony JC, Silveira CM. Álcool e suas consequências: uma abordagem multiconceitual. Barueri (SP): Minha Editora, 2009, 67-87.

HELLER, A. Para mudar a vida: felicidade, liberdade e democracia. São Paulo: Brasiliense, 1982.

JELLINEK, EM. The disease concept of alcoholism. New Brunswick: Hillhouse Press, 1960.

LUCENA, K. D. T. de; SILVA, A. T. M. C. da; MORAES, R. M. de; SILVA, C. C. da; BEZERRA, I. M. P. Análise espacial da violência doméstica contra a mulher entre os anos de 2002 e 2005 em João Pessoa, Paraíba, Brasil.Cadernos Saúde Pública.vol. 28, n. 6, Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, . 1111-1121, jun. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S010311X2012000600010&lang=pt>. Acesso em: 26 mar. 2014.

_____. Trabalho e indivíduo social. São Paulo: Cortez, 2001.

LUXEMBURGO, Rosa. Camarada e Amante: Cartas de Rosa de Luxembrugo a Leo Jogiches. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

MACHADO, L. Políticas de subjetivação. In: MANFROI, Vania Maria;

MENDONÇA. Luiz Jorge Vasconcellos Pessôa (Orgs.). Política Social: trabalho e subjetividade. Vitória: Edufes, 2008.

MARTINS, M. V. Marxismo e subjetividade: uma leitura dos “Manuscritos de 44”. In BAPTISTA, Luís Antônio dos S. (Org.). Anuário do Laboratório de Subjetividade e Política. Niterói: Eduff, 1992, ano 1, v.1.

MARX, K. O capital. crítica da economia política. São Paulo: Abril, 1985. v.1.

MONTEIRO, L. G. M. Neomarxismo: indivíduo e subjetividade. São Paulo: EDUC; Florianópolis: Edufsc, 1995.

Revista Serviço Social e Sociedade, 101. Fundamentos críticos para o serviço profissional. Ed. Cortez. janeiro/março 2010.

ROUANET, S. P. Mal-estar na modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

_____. Teoria crítica e psicanálise. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

SAFIOTTI, H. Já se mete a colher em briga de marido e mulher. Revista São Paulo em Perspectiva. São Paulo: Fundação SEAD, v. 3, n. 4, p. 82-90, out.-dez./1999.

SCHAFT, A. Marxismo e indivíduo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

SÈVE. L. Marxismo e a teoria da personalidade. Lisboa: Horizonte Universitário, 1979.

SILVEIRA, P.; DORAY, B. Teoria marxista da subjetividade. São Paulo: Vértice, 1989.

SOARES, L. E.; SOARES, B. M.; CARNEIRO, L. P. Violência contra a mulher: As DEAMs e os pactos domésticos. In: SOARES, L. E. (Org). Violência e Política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Relume-Dumará/ISER, 1996, p. 65-106.

TAVARES, M. S. Com açúcar e sem afeto: a trajetória de vida amorosa de mulheres das classes populares em Aracaju/SE. Revista Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez, n. 101, p. 121-145, jan.-mar./2010.

VASCONCELOS, E. M. (Org.) Abordagens psicossociais. São Paulo: Hucitec, 2008. v. 1.

ZUBARAN C, FERNANDES J, MARTINS F, SOUZA J, MACHADO R, CADORE M. Clinical and neurophatological aspects of Wernicke-Korsakoff syndrome. Rev Saúde Pública 1996; 30:6.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2012 ATUALIZAÇÃO: HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL. Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos – CEBELA. FLACSO Brasil: Agosto, 2012. Disponível em: <http://www.mapadaviolencia.org.br/mapa2012_mulheres.php> Acesso em: 28 out. 2013.

<http://www.alcoolismo.com.br/alcool-2/historia_do_alcool/> Acesso em: 15 jun. 2016.

<http://www.psicologia.com.pt consult/> Acesso em 15 de jun de 2016.

Publicado
04-07-2017
Como Citar
Rosa, C. R. (2017). O Álcool e a Violência Doméstica: Efeitos e Dramas. Virtuajus, 2(2), 243-269. Recuperado de https://seer.pucminas.br/index.php/virtuajus/article/view/15099