Agência social do professor: modos de interação e suas implicações nos processos de autoformação no local de trabalho

  • Paula Baracat De Grande
  • Angela Kleiman Universidade de Campinas
Palavras-chave: Autoformação, Docência, Práticas de letramento.

Resumo

O artigo analisa eventos de letramento formativos em reuniões de corpo docente com o objetivo de discutir as estruturas e modos interacionais e  seus impactos nos conteúdos construídos pelas participantes e no seu engajamento e agência no processo de autoformação no local de trabalho. Para isso, utilizamos na microanálise da estrutura dos eventos e do fluxo de interação as contribuições da Sociolinguística Interacional e Análise da Conversa, combinadas à análise enunciativo-discursiva conhecida como o método sociológico de Bakhtin. As análises fazem parte da pesquisa de doutorado de De Grande (2015), que tinha como meta compreender as práticas de letramento formativas do professor em seu local de trabalho, e mostram que as professoras construíram dois tipos de eventos bastante distintos quanto ao exercício coletivo de agência no tempo oficialmente dedicado à sua formação no local de trabalho. As diferenças interacionais nas estruturas de participação de cada tipo de evento, nas relações entre as participantes e em suas identidades construídas na interação têm reflexos nos temas (BAKHTIN, 2003) desenvolvidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARCHER, Margaret S. Being human: the problem of agency. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos. Por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução de Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, 1999.

BROWN, Penelope; LEVINSON, Stephen C. Politeness: some universals in language usage. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

CARRASCOSSI, Cibele Naidhig de Souza. O papel da modalização no jogo discursivo: um estudo da construção pode ser (...), mas ... Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 87-99, jan./abr. 2013.

CAZDEN, Courtney B. Classroom discourse: the language of teaching and learning. 2nd ed. Portsmouth, NH: Heinemann Press, 2001.

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2008.

DE GRANDE, Paula Baracat. Formação continuada no local de trabalho do professor: possibilidades de agência e construção de sentidos para a docência. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas, 2015.

ERICKSON, Frederick. Classroom discourse as improvisation. Relationships between academic task structure and social participation structure in lessons. In:

WILKINSON, Louise Cherry (Org.). Communicating in the classroom. New York: Academic Press, 1982. p. 153-182.

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Formação continuada de professores: uma análise das modalidades e das práticas em estados e municípios brasileiros. Fundação Victor Civita, 2011.

GARCEZ, Pedro M. A organização da fala-em-interação na sala de aula: controle social, reprodução de conhecimento, construção conjunta de conhecimento. Calidoscópio, v. 4, n. 1, p. 66-80, jan./abr. 2006.

GOFFMAN, Erving. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis: Vozes, 2011. Original publicado em 1974.

GUMPERZ, John Joseph. Interactional Sociolinguistics: A personal perspective. In: The Handbook of Discourse Analysis. SCHIFFRIN, Deborah; TANNEN, Deborah; HAMILTON, Heidi E. (Org.). Malden, Massachusetts: Blackwell Publishers Ltd, 2008.

HOFFNAGEL, Judith Chambliss. A modalização epistêmica na construção de sentido: o caso do “eu acho (que)”. Intercâmbio, Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, v. 6, 1997.

KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. Análise da conversação: princípios e métodos. São Paulo: Parábola, 2006.

KLEIMAN, Angela B. A construção de identidade em sala de aula: um enfoque interacional. In: SIGNORINI, Inês (Org.). Língua(gem) e identidade. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.

KLEIMAN, Angela B. Letramento e formação do professor: Quais as práticas e exigências no local de trabalho? In: KLEIMAN, Angela B. A formação do professor: perspectivas da Lingüística Aplicada. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2001. p. 39-68.

KLEIMAN, Angela B. Professores e agentes de letramento: identidade e posicionamento social. Revista Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, n. 8, 2006.

KLEIMAN, Angela B. VIANNA, Carolina Assis D.; DE GRANDE, Paula Baracat. “Sem querer ir contra pessoas tão ilustres...”: construção e negociação identitárias do professor entre discursos de (des)legitimação. Scripta, Belo Horizonte, v. 17, n. 32, p. 173-194, 1. sem. 2013.

KOCH, Ingedore. Gramática do português falado: Desenvolvimentos (Org.). Campinas, SP: EDUNICAMP/FAPESP, 1997. v. 7. 526 p.

KOCH, Ingedore. A construção dos sentidos no discurso: uma abordagem sociocognitiva. Revista Investigações, v. 18, n. 2, jul. 2005. Disponível em: <http://www.revistainvestigacoes.com.br/volume-18-n2.html>. Acesso em: 5 fev. 2014.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. 6. ed. ampl. São Paulo: Cortez, 2013.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Estudo de Língua falada e aula de língua materna: uma abordagem processual da interação professor/alunos. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

NÓVOA, António. Formação de professores e profissão docente. 1992. Disponível em:<http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4758/1/FPPD_A_Novoa.

pdf>. Acesso em: 8 jan. 2013.

OLIVEIRA, Noeli Aparecida Rodrigues de. A HTPC como espaço de formação: uma possibilidade. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006

ROJO, Roxane. A teoria dos gêneros discursivos do Círculo de Bakhtin e os multiletramentos. In: ROJO, Roxane (Org.). Escol@ conect@d@: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

SÃO PAULO, Portaria CENP nº 1/96 – L.C. n. 836/97, 1997.

SAWYER, Keith. Creative teaching: collaborative discussion as disciplined improvisation. Educational Researcher, v. 33, n. 12, 2004.

TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista Brasileira de Educação, n. 13, jan./abr. 2000.

URBANO, Hudinilson. Aspectos basicamente interacionais dos marcadores discursivos. In: NEVES, Maria Helena de Moura (Org.). Gramática do português falado. 2. ed. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USO; Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1999.

VARGHESE, Manka; MORGAN, Brian; JOHNSTON, Bill; JOHNSON, Kimberly A. Theorizing language teacher identity: three perspectives and beyond. Journal of Language, Identity, and Education, v. 4, n. 1, p. 21-44, 2005.

VOLOCHÍNOV, Valentin Nikolaevich. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 1995. Original publicado em 1929.

ZAVALA, Virginia. La escritura académica y la agencia de los sujetos. Cuadernos Comillas, v. 1, p. 52-66, 2011.

Publicado
28-01-2016
Como Citar
De Grande, P. B., & Kleiman, A. (2016). Agência social do professor: modos de interação e suas implicações nos processos de autoformação no local de trabalho. Scripta, 19(36), 29-56. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2015v19n36p29
Seção
Dossiê interação, formação e ação profissional