À flor da terra, o lugar da poesia

  • Aleiton Fonseca Universidade Estadual de Feira de Santana - Bahia
Palavras-chave: Magma, Guimarães Rosa, Poesia, Telurismo, Lirismo.

Resumo

Este  trabalho  tem como  objetivo analisar em Magma, único livro de poemas  de Guimarães Rosa,  o  lirismo telúrico rosiano, enquanto sentimento de integração e louvor à terra, a partir da leitura de poemas como "Águas da Serra", "Ritmos selvagens", "Boiada", "No Araguaia", "Toada da chuva", "Gruta do Maquiné", "Primavera na serra" e outros, que captam e revelam motivos, cores, sons e sensações de um concerto poético da natureza em seu simples  e profundo existir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COSTA, Sosígenes. Iararana. (Texto fixado e edição preparada por José Paulo Paes). São Paulo: Cultrix, 1979.

FONSECA, Aleilton. O telurismo poético. In: AGUIAR, Iosito. Inillo tempore. Odes paramirinhenses. Curitiba: Imprensa Oficial do Paraná, 2001. p. 81-87.

FARES, Jasse; NUNES, Paulo. Magma: pescaria amazônica nas veredas de Guimarães Rosa. Veredas de Rosa li. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2003. p. 372-377.

GALVÃO, Walnice Nogueira. O mago do verbo. Scripta, v. 5, p. 343-351, 1. sem. 2002, Belo Horizonte, Editora PUC Minas.

ROSA, Guimarães. Magma. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

Publicado
13-10-2005
Como Citar
Fonseca, A. (2005). À flor da terra, o lugar da poesia. Scripta, 9(17), 40-46. Recuperado de https://seer.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/14077