Lugares e entre-lugares da fala: a representação do mal em "Alá e as crianças-soldados", de Ahmadou Kourouma

  • Marcos de Jesus Oliveira Universidade de Brasília
Palavras-chave: Ahmadou Kourouma, Mal, Identidade, Diferença cultural, Metaficção Historiográfica

Resumo

Partindo de uma breve discussão sobre a noção de mal proposta pela filósofa Susan Neiman, exploro o significado do ato enunciador da diferença cultural em Alá e as crianças-soldados, de Ahmadou Kou­rouma, que opera vários deslocamentos de sentido em relação às convenções discursivas e aos códigos representacionais hegemôni­cos, aos quais as noções de bem e mal estão assentadas. Dentre esses múltiplos desvios de sentido, é destacada, a partir do conceito de metaficção historiográfica, a ruptura entre as fronteiras da ficção e realidade, também realizada pela enunciação da diferença cultural. Este último argumento é desenvolvido para evidenciar a maneira pela qual a narrativa alarga nossa compreensão sobre a idéia de mal em direção a zonas que a história canônica se esforçou em apagar, como, por exemplo, a opressão a que o povo africano está submetido.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
30-01-2017
Como Citar
Oliveira, M. de J. (2017). Lugares e entre-lugares da fala: a representação do mal em "Alá e as crianças-soldados", de Ahmadou Kourouma. Scripta, 11(21), 91-104. Recuperado de https://seer.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/13995