"O provérbio é a voz do povo" e "o povo, a voz de Deus": a voz da parêmia no diário de Helena Morley

  • Vanda de Oliveira Bittencourt PUC Minas
Palavras-chave: Helena Morley, Minha vida de menina, Expressões proverbiais, Operação argumentativa

Resumo

No presente trabalho, procuro investigar um dos cruzamentos genológicos que permeiam o diário escrito pela jovem diamantinense, ou melhor, Alice Dayrell Caldeira Brant, intitulado Minha vida de menina. Estendendo a tempos mais remotos o seu ato memorialístico, através da incorporação da voz antiga do"sen­so comum" expressa nos provérbios, a autora utiliza-os/recebe-os, segundo os ditames da conveniência própria, fazendo deles uma das camadas do aparato argumentativo que constrói, em diálogo consigo mesma e/ou com o seu diário.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
07-03-2005
Como Citar
Bittencourt, V. de O. (2005). "O provérbio é a voz do povo" e "o povo, a voz de Deus": a voz da parêmia no diário de Helena Morley. Scripta, 8(16), 148-164. Recuperado de https://seer.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/13913
Seção
Artigos