Oralidade, narrativa fragmentada e hibridismo de códigos em “Mona Kasule é Ngamba”, de Boaventura Cardoso

  • Joyce Rodrigues Silva Gonçalves PUC Minas
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

Este trabalho propõe uma breve análise do conto “Mona Kasule
é Ngamba”, de Boaventura Cardoso, procurando demonstrar
que a narrativa constitui-se de enredos múltiplos e de várias
histórias fragmentadas que se entrelaçam. Esse aspecto fica
explícito em cenas em que se realça um hibridismo de códigos
linguísticos recorrentes na prática rotineira dos musseques
angolanos.

Palavras-chave: Multiplicidade narrativa; Ooralidade;
Hibridismo linguístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Maria Luzia. A fragmentação do texto literário. In: Interdisciplinar

– Revista de Estudos de Língua e Literatura, vol. 4, n. 4 .

Itabaiana, Sergipe: Núcleo de Letras UFS, jul./dez. 2007.

CARDOSO, Boaventura. O fogo da fala. Lisboa: Edições 70, 1980.

GUEDES, Armando Marques. O texto e o contexto na recolha de

tradições orais em Angola. In: Revista ICALP – Revista do Instituto de

Cultura e Língua Portuguesa, vol. 10, p. 37-50, dez. 1987.

Publicado
02-12-2011
Como Citar
Gonçalves, J. R. S. (2011). Oralidade, narrativa fragmentada e hibridismo de códigos em “Mona Kasule é Ngamba”, de Boaventura Cardoso. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(21), 13-17. Recuperado de https://seer.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/7904