Má educação na Primeira manhã de Dalcídio Jurandir

  • Paulo Nunes
Palavras-chave: Representação, Primeira manhã, Dalcídio Jurandir, Educação e Exclusão,

Resumo

Este texto demonstra o modo como, através da ficção, a literatura representa os descaminhos da sociedade capitalista. No romance Primeira manhã, Dalcídio Jurandir trama, a partir da personagem Alfredo, a denúncia das mazelas da educação formal brasileira.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso Amoroso. 11. ed. Tradução de Hortênsia Santos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 5. ed. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini et al. São Paulo: EDUNESP, 1998.

CARVALHO, Rosita Edler Carvalho. Educação inclusiva com os pingos nos is. Porto Alegre: Mediação. 2006.

FARES, Josebel. “Dos campos de Cachoeira a Belém do Grão Pará: encontro de vozes em Dalcídio Jurandir”. Leitura: teoria & prática. Ano 23, número 44, São Paulo: ABL/Global, 2005.

FARES, Josse & NUNES, Paulo. Pedras de encantaria. Belém: EDUNAMA, 2001.

FARES, Josse, In: JACOB, Célia (Org.) Asas da Palavra, revista da graduação em Letras da Universidade da Amazônia. n. 4, Belém: 1994.

GOULART, Audemaro Taranto. Do heróico ao erótico: uma leitura de O Guarani [Tese de doutoramento: São Paulo: FFLCH/DTLLC, USP, 1993.

JURANDIR, Dalcídio. Primeira manhã, São Paulo: Martins, 1967.

JURANDIR, Dalcídio. Primeira manhã. 2 ed. Belém: EDUEPA, 2009.

NUNES, Benedito et al. Dalcídio Jurandir, o romancista da Amazônia. Rio de Janeiro/Belém: FCRB/SECULT-PA, 2007.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Amálio Pinheiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Publicado
15-12-2011
Como Citar
Nunes, P. (2011). Má educação na Primeira manhã de Dalcídio Jurandir. Scripta, 15(29), 273-280. Recuperado de http://seer.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4286
Seção
Dossiê: Literaturas de língua portuguesa