Virgílio de Lemos e sua antropofagia delirante: estética e vertigem na lírica moçambicana

  • Luciana Brandão Leal Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Virgílio de Lemos, Antropofagia, Modernismo, Poesia moçambicana, Resistência

Resumo

Resumo: Este artigo propõe uma análise sobre diversas formas de antropofagia na lírica do poeta moçambicano Virgílio de Lemos, ortônimo, e de seus heterônimos, principalmente as feições que ecoam na voz do heterônimo Duarte Galvão, arauto da Revista Msaho (1952). Em sua proposta de “antropofagia delirante”, Virgílio de Lemos transita pelos movimentos das Vanguardas Europeias – especialmente, pelo Surrealismo, Cubismo e Dadaísmo –; pelas Vanguardas Latino-Americanas, pelo Modernismo Brasileiro, incorporando tais propostas, elaborando-as, para conceber sua voz inaugural no cenário dessa colônia portuguesa. A “antropofagia delirante” de Virgílio de Lemos propõe novos vieses para a lírica moçambicana. Esta atitude estética revela transgressão em relação ao modelo literário predominante em Moçambique, fortalecendo uma atitude estética que ecoa  subversão e resistência à repressão colonialista.

Palavras-chave: Virgílio de Lemos, antropofagia, modernismo, poesia moçambicana, resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Brandão Leal, Universidade Federal de Viçosa

Luciana Brandão Leal é doutora e mestre em Letras – Literaturas de Língua Portuguesa, pela PUC Minas. Atuou como investigadora visitante na Universidade de Lisboa (2017). Professora Adjunto III na Universidade Federal de Viçosa, atuando no campus Florestal. ORCID: https://orcid.org/my-orcid?orcid=0000-0003-1534-9726

Referências

AGUILAR, Gonzalo Moisés. Poesia concreta brasileira: as vanguardas na encruzilhada modernista. Tradução de João Bandeira e Marilena Vizentin. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 2005.

AGUSTONI, Prisca. O Atlântico em movimento: signos da diáspora africana na poesia contemporânea de língua portuguesa. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.

ANDRADE, Oswald de. Obras Completas: do Pau-Brasil à Antropofagia e às Utopias. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.

ANDRADE, Oswald de. O manifesto antropófago. In: TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda européia e modernismo brasileiro: apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas. 3ª ed. Petrópolis: Vozes; Brasília: INL, 1976. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cdrom/oandrade/oandrade.pdf. Acesso em: 10 jan. 2017.

ANGIUS, Fernanda; ANGIUS, Matteo. O desanoitecer da palavra: estudo, seleção de textos inéditos e bibliografia anotada de um autor moçambicano. Praia; Mindelo: Embaixada de Portugal; Centro Cultural Português, 1999.

ÁVILA, Affonso. O poeta e a consciência crítica: uma linha de tradição, uma atitude de vanguarda. Petrópolis, RJ: Vozes, 1989.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, Ed. da Universidade de São Paulo, 1977.

BRETON, André. Manifestos do Surrealismo. Tradução de Pedro Tamen. Rio de Janeiro: Morais Editores, 1962.

BÜRGUER, Peter. Teoria da vanguarda. Tradução de José Pedro Antunes. São Paulo: Cosac Naify, 1993.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. Rio de Janeiro: Duas Cidades, 2004.

CHICHORRO, Roberto; PATRAQUIM, Luís Carlos; LEITE, Ana Mafalda. Mariscando luas. Lisboa: Vega, 1992.

CÍCERO, Antônio. O sentido da vanguarda. Folha de S. Paulo, São Paulo, 03 mai. 2008. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq0305200837.htm. Acesso em: 01 mar. 2018.

COUTO, Mia. O pouco do tudo. In: LEMOS, Virgílio de. Eroticus moçambicanus: breve antologia da poesia escrita em Moçambique (1944/1963) / Virgílio de Lemos & heterônimos; Carmen Lúcia Tindó Secco (organização e apresentação). Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Faculdade de Letras, UFRJ, 1999. p. 15-17.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Tradução de Enilce Albergaria Rocha e Lucy Magalhães. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2005.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Afrodicções: matéria de poesia. Congresso Internacional de Lusitanistas - AIL, 1999, Rio de Janeiro, Anais [...]. Rio de Janeiro, 1999. Disponível em: http://www.geocities.ws/ail_br/afrodiccoes.html. Acesso em: 08 out. 2016.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Panorama das literaturas africanas de língua portuguesa. Cadernos CESPUC de Pesquisa, Belo Horizonte, n. 16, p. 13-69, set. 2007.

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. Tradução e introdução de Marilene Carone, Maria Rita Kehl e Modesto Carone. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

GOMES, Simone Caputo. Poesia moçambicana e negritude: caminhos para uma discussão. Via Atlântica, São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo, n. 16, p. 29-46, dez. 2009. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/50460/54572. Acesso em: 01 fev. 2017.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Organização de Liv Sovk. Tradução de Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.

LEAL, Luciana Brandão. Virgílio de Lemos: o intelectual em trânsito. Anuário Literário, Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, v. 18, n. 2, p. 21-33, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/download/2175-7917.../25983. Acesso em: 10 jan. 2016.

LEMOS, Virgílio de. Eroticus moçambicanus: breve antologia da poesia escrita em Moçambique (1944/1963) / Virgílio de Lemos & heterônimos; Carmen Lúcia Tindó Secco (organização e apresentação). Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Faculdade de Letras, UFRJ, 1999.

LEMOS, Virgílio de. Jogos de prazer. Virgílio de Lemos & heterónimos: Bruno Reis, Duarte Galvão e Lee-Li Yang. Organização do volume e prefácio de Ana Mafalda Leite. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2009.

LIMA, Jorge de. Essa negra fulô. Fortaleza: Jornal de Poesia, 2005. Disponível em: http://www.jornaldepoesia.jor.br/jorge.html#essanegra. Acesso em: 6 dez. 2021.

PAZ, Octavio. A dupla chama: amor e erotismo. Tradução de Waldir Dupont. São Paulo: Siciliano, 1994.

PAZ, Octavio. Os filhos do barro: do romantismo à vanguarda. Tradução de Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

PEREIRA, Maria Luiza Scher. O intelectual em trânsito em um texto híbrido. In: SOUZA, Eneida Maria; MARQUES, Reinaldo (org.). Modernidades Alternativas na América Latina. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

PIGLIA, Ricardo. O intelectual em trânsito em um texto híbrido. In: SOUZA, Eneida Maria; MARQUES, Reinaldo (org.). Modernidades Alternativas na América Latina. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009. 72-95

SECCO, Carmen Lúcia Tindó. Afeto & Poesia. Ensaios e entrevistas: Angola e Moçambique. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2014.

SECCO, Carmen Lúcia Tindó. A magia das letras africanas: ensaios escolhidos sobre as literaturas de Angola e Moçambique e alguns outros diálogos. Rio de Janeiro: ABE Graph; Barroso Produções Editoriais, 2003.

SECCO, Carmen Lúcia Tindó. Travessia e rotas das literaturas africanas de língua portuguesa (das profecias libertárias às distopias contemporâneas). Légua & meia: Revista de literatura e diversidade cultural, Feira de Santana, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, n. 1, p. 91-113, 2002.

SECCO, Carmen Lúcia Tindó. Revisitações Poéticas e Pictóricas da Ilha de Moçambique. Revista Eletrônica Abril. Revista do NEPA/UFF, Niterói, v. 5, n. 9, p. 205-217, nov. 2012.

Publicado
11-01-2022
Como Citar
Leal, L. B. (2022). Virgílio de Lemos e sua antropofagia delirante: estética e vertigem na lírica moçambicana. Scripta, 25(55), 457-486. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n55p457-486