Hasta no verte jesús mío: uma leitura descolonial de Josefina Bórquez

Palavras-chave: Literatura em língua espanhola

Resumo

Este artigo analisa a obra Hasta no verte Jesús Mío, de Elena Poniatowska, propondo a possibilidade de a narração, que é baseada em uma série de entrevistas cedidas por uma mexicana real chamada Josefina Bórquez, ser uma releitura crítica da realidade histórica e social na qual Bórquez viveu e a partir da qual surgiram suas memórias Desse ponto de vista, defende que essa releitura está em diálogo com o feminismo e, mais especificamente, com o conjunto de propostas ao qual se vincula o feminismo descolonial. Para tal fim, a análise parte do princípio de que o texto, pela ausência que possuiria de limites tanto em sua relação com a realidade, quanto em relação à ficção, como bem comprova o trabalho de Cynthia Steele (2018), é pertencente à gama de textos da tendência que Josefina Ludmer (2013) denomina de pós-autonomia. Apoia-se ainda em Elaine Showalter, em A crítica feminista no território selvagem (1994), e María Lugones em Colonialidad y Género (2018), Rumo Ao Feminismo Descolonial (2018) e Multiculturalismo radical y feminismos de mujeres de color (2018), para apresentar as semelhanças entre a narração e as noções de crítica feminista e de feminismo descolonial, de forma a apontá-lo como uma possível releitura descolonial da experiência original a partir da qual foi criado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Mirtis Caser, Universidade Federal do Espírito Santo
Maria Mirtis Caser é professora aposentada da Universidade Federal do Espírito Santo. Atua como professora voluntária no Programa de Pós-graduação em Letras (PPGL -Ufes),  dedicando-se em especial aos estudos de gênero e à literatura produzida por mulheres, em língua portuguesa e língua espanhola.
Mariana Marise Fernandes Leite, Universidade Federal do Espírito Santo
Licenciada em Letras Português e literaturas em língua portuguesa pela Universidade Federal do Espírito Santo(Ufes), Mestre em Letras pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e doutoranda em Letras pelo programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Referências

GARRAMUÑO, Florencia. La narración de la experiencia. In : GARRAMUÑO, Florencia. La experiencia opaca: literatura y desencanto. Buenos Aires: Fondo de cultura económica, 2009. p.

-150.

LUDMER, Josefina. A Cidade: Na ilha Urbana. In: LUDMER, Josefina. Aqui América Latina: Uma especulação. Tradução de Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: UFMG, 2013. p. 115-125.

LUDMER, Josefina. Identidades territoriais e produção de presente: Literaturas pós-autônomas. In: LUDMER, Josefina. Aqui América Latina: Uma especulação. Tradução de Rômulo Monte Alto.

Belo Horizonte: UFMG, 2013. p. 127-133.

LUGONES, María. Colonialidad y género. Disponível em: <http://dev.revistatabularasa.org/

numero-9/05lugones.pdf>. Acesso em: 26 dez. 2018.

LUGONES, María. Multiculturalismo radical y feminismos de mujeres de color. Disponível em:

<https://www.redalyc.org/pdf/592/59202503.pdf>. Acesso em: 26 dez. 2018.

LUGONES, María. Rumo ao feminismo descolonial. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/

index.php/ref/article/view/36755>. Acesso em: 26 dez. 2018.

OXFORD UNIVERSITY PRESS. Hombrada. Disponível em: <https://es.oxforddictionaries.com/

definicion/hombrada>. Acesso em: 12 dez. 2018.

PONIATOWSKA, Elena. Hasta no Verte Jesús Mío. Avena: Ediciones Era, 1985.

REAL ACADEMIA ESPAÑOLA. Hombrada. Disponível em: <https://dle.rae.es/?id=KaR3MYj>.

Acesso em: 12 dez. 2018.

SARLO, Beatriz. Tempo Passado: Cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução de Rosa Freire

D’Aguiar. Belo Horizonte; Companhia das Letras/ UFMG, 2007.

SHOWALTER, Elaine. A crítica feminista no território selvagem. In: BUARQUE DE HOLLANDA,Heloisa (Org.). Tendências e Impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro,1994.

p. 23-56.

STEELE, Cynthia. Testimonio y autor/idad en “Hasta no verte Jesus mio,” de Elena Poniatowska. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/4530628>. Acesso em: 26 dez. 2018.

Publicado
24-05-2019
Como Citar
Caser, M. M., & Fernandes Leite, M. M. (2019). Hasta no verte jesús mío: uma leitura descolonial de Josefina Bórquez. Scripta, 23(47), 167-178. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2019v23n47p167-178