A performatização da poética da desumanização: errância do sujeito e da escrita literária

  • Elisabete Alfeld PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO
Palavras-chave: A desumanização. Performatização de errâncias. Escrita literária.

Resumo

Em A desumanização (MÃE, 2014), Halla, narradora e personagem, transitando pela natureza fabulosa dos fiordes, conta a sua história enredando rastros de lembranças e de memórias lendárias com o que resta para viver. Nesse contar, a escrita literária revela “uma linguagem duplicada, já que, ao mesmo tempo que conta uma história, que conta alguma coisa, deverá, a cada instante, mostrar e tornar visível o que a literatura é, o que a linguagem da literatura é” (FOUCAULT, 2016, p. 90). O objetivo que norteia este estudo pretende abordar na escritura do romance os aspectos performáticos da escrita literária que, a partir da poética da desumanização, configura a errância do sujeito que transita entre a vida e a morte e a errância da escrita que transita entre a prosa e a poesia; entre a ficção e o ensaio poético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisabete Alfeld, PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

Doutora em Comunicação e Semiótica pelo Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica. Professora do Departamento de Arte, da Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP. Contato: ealfeld@uol.com.br

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Categorias italianas: estudos de poética e literatura. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.

AGAMBEN, Giorgio. O sacramento da linguagem. Arqueologia do juramento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BLANCHOT, Maurice. A conversa infinita 1: a experiência limite. São Paulo: Escuta, 2001.

BLANCHOT, Maurice. A conversa infinita 2: a experiência limite. São Paulo: Escuta, 2007.

BLANCHOT, Maurice. A parte do fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 2011b.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, 2011a.

BLANCHOT, Maurice. O livro por vir. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2002.

COHEN, Renato. Performance e contemporaneidade: da oralidade à cibercultura. In: Oralidade em tempo &espaço: colóquio Paul Zumthor. São Paulo: EDUC, 1999. p. 225-239.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. São Paulo: Ed. 34, 1997.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1991.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

FOUCAULT, Michel. A grande estrangeira: sobre literatura. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

ISER, W. Os atos de fingir ou o que é fictício no texto ficcional. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da literatura em suas fontes. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983. p. 384; 416.

MÃE, Valter Hugo. A desumanização. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

MORIN, Edgar. O cinema e o homem imaginário. Lisboa: Moraes Editora, 1980.

OZICK, Cynthia. Retrato do ensaio como corpo de mulher. In: PIRES, Paulo Roberto (Org.). Doze ensaios sobre o ensaio: Antologia Serrote. São Paulo: IMS, 2018. p. 225-233.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo: entrevistas e ensaios. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Sonia Queiroz. Cotia. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

Publicado
24-05-2019
Como Citar
Alfeld, E. (2019). A performatização da poética da desumanização: errância do sujeito e da escrita literária. Scripta, 23(47), 153-166. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2019v23n47p153-166