Da literatura: ensaio, performance e fracasso

Palavras-chave: Literatura, Crítica literária, Pensamento do exterior, Ensaio, Performance

Resumo

Neste ensaio, a crítica critica a si mesma, assume-se como metacrítica. Quando o ditador, personagem conceitual de Maurice Blanchot, exige que o crítico explicite qual é sua importância na contemporaneidade, este se retira para primeiro esclarecer a própria concepção de literatura. Nessa investigação, passa por pensadores da negatividade, como o já citado Blanchot, além de Michel Foucault, Gilles Deleuze e outros, até chegar a Juliano Garcia Pessanha, autor brasileiro que herda e reelabora tal tradição. Contaminada pelo tom satírico de Luciano de Samósata, proponho um entendimento de literatura como ensaio e performance. O crítico, por fim, compreende o teor artístico e o gesto político da atuação dele.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suelen Ariane Campiolo Trevizan, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutoranda em Teoria Literária e Literatura Comparada do programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Universidade Federal de Minas Gerais, bolsista CAPES.

Referências

ADORNO, Theodor. O ensaio como forma. In: ADORNO, Theodor. Notas de literatura I. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2012.

ARTAUD, Antonin. A perda de si: cartas de Antonin Artaud. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

BLANCHOT, Maurice. O livro por vir. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BRANDÃO, Jacyntho Lins. A poética do hipocentauro: literatura, sociedade e discurso ficcional em Luciano de Samósata. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

CAMPOS, Haroldo de. Galáxias. São Paulo: Editora 34, 2011.

DELEUZE, Gilles. A literatura e a vida. In: DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. São Paulo: Ed. 34, 1997.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka: por uma literatura menor. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

DERRIDA, Jacques. The Law of Genre. In: DERRIDA, Jacques; ATTRIDGE, Derek. Acts of literature. New York; London: Routledge, 1992.

FOUCAULT, Michel. História da loucura: na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 2007.

FOUCAULT, Michel. O pensamento do exterior. In: FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

GOMBROWICZ, Witold. Ferdydurke. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

HEIDEGGER, Martin. Sobre o humanismo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1967.

MAIOLINO, Anna Maria, O herói. Disponível em: <https://masp.org.br/acervo/obra/o-heroi>.

Acesso em: 29 jan. 2019.

MALLARMÉ, Stéphane. Divagações. Florianópolis: Editora da UFSC, 2010.

PEDROSA, Celia et al. (Orgs.). Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

PESSANHA, Juliano Garcia. Recusa do não-lugar. São Paulo: Ubu, 2018.

PIRES, Paulo Roberto (Org.). Doze ensaios sobre o ensaio. São Paulo: IMS, 2018.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Ed. 34, 2005.

SAMÓSATA, Luciano de. Luciano [III]. Coimbra: IUC, 2012.

SAMÓSATA, Luciano de. Luciano [VI]. Coimbra: IUC, 2013.

SLOTERDIJK, Peter. Esferas I: Bolhas. Tradução de José Oscar de Almeida Marques. São Paulo: Estação Liberdade, 2016.

SÜSSEKIND, Flora. Objetos textuais não identificados. In: O Globo, 2013. Disponível em:

<https://blogs.oglobo.globo.com/prosa/post/objetos-verbais-nao-identificados-um-ensaio-de-florasussekind-510390.html>. Acesso em: 12 nov. 2018.

Publicado
24-05-2019
Como Citar
Campiolo Trevizan, S. A. (2019). Da literatura: ensaio, performance e fracasso. Scripta, 23(47), 115-126. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2019v23n47p115-126