Disjunção, conjunção e enarmonia: análise do conto “Nenhum, nenhuma” de João Guimarães Rosa.

Palavras-chave: Literatura Brasileira, Guimarães Rosa, Disjunção, Conjunção, Enarmonia

Resumo

A partir da leitura crítica de Luiz Tatit e Marília Librandi Rocha, este trabalho procura demonstrar a relevância de duas forças aparentemente opostas na composição do conto “Nenhum, nenhuma” de Guimarães Rosa: uma disjuntiva, que diz respeito ao tempo enquanto agente desagregador capaz de nos transformar em estranhos de nós mesmos; e outra conjuntiva, a latência. As cinco personagens estariam decididamente disjuntadas ou seriam uma o estado de latência da outra? O trabalho conclui com o triunfo da ambiguidade: não a prevalência, mas a presença vacilante de ambas as forças. Assim, o conto mantém uma poética enarmônica - conceito musical que expressa a diferença naquilo que contém a mesma substância - ilustrada no paradoxo final deixado pelo narrador: “eu; eu?”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Salles, Departamento de Teoria e História Literária - UNICAMP
Pós-graduando no Departamento de Teoria e História Literária do Instituo de Estudos da Linguagem da UNICAMP

Referências

CÍCERO. Retórica a Herênio. Tradução e introdução Ana Paula Celestino Faria e Adriana Seabra. São Paulo: Hedra, 2005.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Nenhures - considerações psicanalíticas à margem de um conto de Guimarães Rosa. In: Flores da escrivaninha, 1a edição, 2006.

RAMOS, Luiz Fernando. O parto de Godot: e outras encenações imaginárias: a rubrica como poética da cena. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 1999.

ROCHA, Marília Librandi. Nuvens invisíveis. A poética da latência e da nuance no conto “Nenhum, Nenhuma” de João Guimarães Rosa. Journal of Lusophone Studies, v.9, 2011.

ROSA, João Guimarães. Primeiras Estórias. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2005.

ROSA, João Guimarães. No Urubuquaquá, no Pinhém. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

TATIT, Luiz. A extinção que não se acaba - "Nenhum, nenhuma”. Alfa, v.53, n.2, 2009.

WEINRICH, Harald. Lete. Arte e crítica do esquecimento / tradução Lya Luft. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001;

XISTO, Pedro. À busca da poesia, in Coutinho, Eduardo F., Coleção Fortuna Crítica: Guimarães Rosa, Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1991.

YATES, Frances Amelia. A arte da memória; trad. de Flavia Ban’her. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

Publicado
24-05-2019
Como Citar
Salles, R. (2019). Disjunção, conjunção e enarmonia: análise do conto “Nenhum, nenhuma” de João Guimarães Rosa. Scripta, 23(47), 75-86. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2019v23n47p75-86