ROMANTISMO, UTOPIA E REVOLUÇÃO:

uma análise teórica do conceito de utopia no momento de pandemia

  • Maurício Brugnaro Júnior
Palavras-chave: Sociologia. Romantismo. Utopia. Revolução. Arte.

Resumo

O foco desta pesquisa baseia-se na reflexão ao redor do conceito de utopia, entendendo a utilização do termo, como ele é concebido ao longo dos séculos e aplicado até o momento. Será realizado um retorno para as formulações teóricas e questionar suas aplicações e falhas até a atualidade. Será analisada a ideia e o conceito de Romantismo como movimento cultural, indo além da ideia de uma escola literária com datas de início e fim delimitadas, usando por base diversos pesquisadores e fazendo uso de um aparato marxista, isto é, serão compreendidas através de forças culturais e político-sociais como uma espécie de impulsionadores da sociedade e relacionando-o a utopia. Ou seja, utopia entendida como um momento de um processo dialético de transformação social, este em que o Romantismo possui elementos libertários e revolucionários específicos gerados por determinações históricas que corroboram com tal dialética. A metodologia utilizada foi de caráter bibliográfico, buscando em artigos e livros de relevância para o tema o arcabouço necessário para estruturar o debate e a formulação da teoria aqui defendida. Será estudado o movimento estudantil francês de maio de 1968 e como ele abriga e incorpora os elementos Românticos e utópicos nas suas lutas e reivindicações. Como um dos elementos centrais do processo dialético, é empregado o conceito catártico de arte no desenvolvimento utópico e revolucionário. Após compreendido e relacionados os temas centrais da discussão, esses temas serão aplicados ao movimento dialético e histórico para possibilitar a próxima etapa do processo, a revolução enquanto ação, rompendo com o modus operandi do sistema social vigente, seja na sua produção ou sua reprodução. Enfim, é explícito o rompimento com as ideias dominantes sobre utopia até o momento, é uma nova visão teórica para a prática, utopia não se concretiza na realidade imediata, mas é parte de um processo revolucionário.

Referências

ADORNO, Theodor W. Prismas: crítica cultura e sociedade. São Paulo: Editora Ática, 1998.
BERRIEL, Carlos. Marx: a utopia como ética da revolução. Campinas – UNICAMP/ revista Morus – Utopia e Renascimento. 2017, Volume 12. Disponível em: http://www.revistamorus.com.br/index.php/morus/article/view/316. Acesso em: 22 jun. 2021.
COLI, Jorge. Comprender el romanticismo y a política desde un análises comparativo. Revista colombiana de pensamento estético e historia del arte. Dossier Iconografía y Comparatismo. Julio-diciembre de 2018/enero-junio de 2019, Edición 8-9. Disponível em: https://cienciashumanasyeconomicas.medellin.unal.edu.co/revista-de-estetica.html. Acesso em: 22 jun. 2021.
LAROUSSE CULTURAL. Grande dicionário Larousse Cultural da língua portuguesa. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1999.
GALLO, Renata Altenfelder Garcia. A Arte, utopia e revolução. Campinas – UNICAMP/ revista Morus – Utopia e Renascimento, 2017, volume 12. Disponível em: http://www.revistamorus.com.br/index.php/morus/article/view/318. Acesso em: 22 jun. 2021.
LÖWY, Michael. O romantismo revolucionário de Maio de 1968. Boitempo, São Paulo, 25/05/2018. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2018/05/25/michael-lowy-o-romantismo-revolucionario-de-maio-de-1968/. Acesso em: 22 jun. 2021.
LÖWY, Michael; SAYRE, Robert. Romanticism Against the Tide of Modernity. Durham/ London: Duke University Press. 2001.
LUKÁCS, György. Estética. Problemas de la mímesis. Volume II. Barcelona: Grijalbo, 1966.
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. São Paulo: Editora Boitempo editorial, 2007.
MORUS, Thomas. Utopia. Versão para eBook, 2001. Disponível em: http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/utopia.pdf. Acesso em: 22 jun. 2021.
PASSERINI, Luisa. `Utopia' and Desire. Thesis Eleven, First Published February 1, 2002. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0725513602068001002. Acesso em: 22 jun. 2021.
WEBER, Max. Sociologia. São Paulo: Editora Ática, 7. ed., 2003.
Publicado
12-07-2021