CULTURA POLÍTICA, DEMOCRACIA E O PERFIL DO ELEITOR NÃO PETISTA NAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS BRASILEIRAS (2002-2014)

  • Palloma Ingrid D'arc Bandeira Ayres
  • Bruno Mello Souza
Palavras-chave: Democracia. Cultura Política. Opinião Pública. Eleições. Brasil.

Resumo

O presente artigo procura entender o comportamento do eleitorado brasileiro analisando as disposições que levam eleitores a adotarem o voto não petista nas eleições presidenciais, entre os anos de 2002 e 2014, utilizando para isso dados do Estudo Eleitoral Brasileiro (ESEB) do Centro de Estudos de Opinião Pública (CESOP) da Unicamp. Buscou-se examinar variáveis de escolaridade, representatividade dos partidos, renda, avaliação do governo federal, percepção sobre a economia do país, satisfação com o combate à criminalidade, satisfação com a democracia, avaliação dos partidos políticos e seus possíveis impactos sobre a escolha por candidaturas não petistas nos pleitos presidenciais. Para isso, tais variáveis foram examinadas descritiva e inferencialmente, por meio de um modelo de regressão logística. Os resultados do modelo adotado sugerem que se deve prestar maior atenção às variáveis de escolaridade, renda, avaliação do governo federal, percepção da situação econômica do país, e satisfação com a democracia como elementos importantes para a compreensão do perfil deste eleitor.

Referências

ALMOND, G.; VERBA, S. The civic culture. Boston: Little Brown, 1965.
AMARAL, O.; RIBEIRO, P. F. Por que Dilma de novo? Uma análise exploratória do Estudo Eleitoral Brasileiro de 2014. Revista de Sociologia e Política, v. 23, n. 56, 2015, p. 107-123.
ARQUIVO NACIONAL (BRASIL). Os Presidentes e a República: Deodoro da Fonseca a Luiz Inácio Lula da Silva. 4. ed. revista e ampliada. - Rio de Janeiro: O Arquivo, 2009. 218 p., il., 21 cm.
BAQUERO, M. 2007. Eleições e capital social: uma análise das eleições presidenciais no Brasil (2002-2006). Opinião Pública, v. 13, n. 2, p. 231-259.
BAQUERO, M.; CASTRO, H.; RANINCHESKI, S. (Des)confiança nas instituições e partidos políticos na constituição de uma democracia inercial no Brasil: o caso das eleições de 2014. Política & Sociedade, v. 15, n. 32, jan./abr. 2016.
BAQUERO, M.; GONZÁLEZ, R. Eleições, estabilidade democrática e socialização política no Brasil: análise longitudinal da persistência de valores nas eleições presidenciais de 2002 a 2010. Opinião Pública, v. 17, n. 2, 2011.
BORBA, F. Propaganda negativa nas eleições presidenciais brasileiras. Opinião Pública, v. 21, n. 2, agosto, p. 268-295, 2015.
BRASIL. Ministério da Educação. Programa Universidade para Todos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/prouni/index.php?option=com_content&task=view&id=124&Itemid=140
BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família. Disponível em: http://www.mds.gov.br/bolsafamilia/ o_programa_bolsa_familia/o-que-e/
GAZETA DO POVO. Resultados das eleições 2018. Disponível em: https://especiais.gazetadopovo.com.br/eleicoes/2018/resultados/. Acesso em: 03/01/2020.
GAZETA DO POVO. Resultados de todas as eleições presidenciais desde 1989. Disponível em: https://especiais.gazetadopovo.com.br/eleicoes/2018/resultados/resultados-eleicoes-presidenciais-desde-1989/. Acesso em: 03 jan. 2020.
GOMES, M.; AQUINO, J. Violência e satisfação com a democracia no Brasil. Opinião Pública, v. 24, n. 1, jan./abr. 2018.
KINZO, M. D. Os partidos no eleitorado: percepções públicas e laços partidários no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 20, 2005. p. 65-90.
KRAUSE, S.; DANTAS, H.; MIGUEL, L. (org.). Coligações partidárias na nova democracia brasileira: perfis e tendências. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; São Paulo: UNESP. 2010.
MISHLER, W.; ROSE, R. Political Support for Incomplete Democracies: Realist vs. Idealist Theories and Measures. International Political Science Review, v. 22, n. 4, p. 303-320, 2001.
MOISÉS, J. A. Os brasileiros e a democracia. São Paulo: Ática, 1995.
MORLINO, L. Legados autoritários, política do passado e qualidade da democracia na Europa do Sul. In: PINTO, António Costa; MARTINHO, Francisco Carlos Palomanes (org.). O passado que não passa: a sombra das ditaduras na Europa do Sul e na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013. p. 261-294.
PORTAL MEC. Presidente Lula lança o Projovem. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/209-564834057/1708-sp-86950697. Acesso em 28 abr. 2020.
POWER, T.; JAMISON, G. Political Mistrust in Latin America. Comparative Sociology, v. 4, n. 1-2, 2005, p. 55-80.
RUBIM, A.; COLLING, L. Mídia, cultura e eleições presidenciais no Brasil contemporâneo. Comunicação e Política. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2005. p. 1-41.
SAMUELS, D. A evolução do petismo (2002-2008). Opinião Pública, v. 14, n. 2, 2008, p. 302-318.
TATAGIBA, L.; GALVÃO; A. Os protestos no Brasil em tempos de crise (2011-2016). Opinião Pública, v. 25, n. 1, p. 63-96.
TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Resultado das Eleições. Disponível em: http://www.tre-se.jus.br/eleicoes/resultado-das-eleicoes. Acesso em 03 jan. 2020.
Publicado
12-07-2021