NATUREZA, CULTURA E A VIRADA ONTOLÓGICA – DIALOGIAS

  • Tatiana Maciel Gontijo de Carvalho
  • Ana Carolina Moreira Barcelos
  • Renata Maia Peres
  • Wendy Rabelo Silva
Palavras-chave: Natureza. Cultura. Sociedade. Virada ontológica

Resumo

Pretende-se apresentar os resultados de um projeto de pesquisa de iniciação científica, o qual teve como objetivo investigar como ocorre a relação entre os termos natureza e cultura e ou natureza e sociedade em três teorias pós-estruturalistas: a antropologia simétrica de Bruno Latour, a antropologia da natureza de Philippe Descola e o perspectivismo de Eduardo Viveiros de Castro. Situando o contexto da virada ontológica na produção teórica da Antropologia como ponto de partida para se compreender a mudança de foco da discussão epistemológica - que pergunta pelas condições de possibilidade do conhecimento - para uma abertura às novas ontologias, buscou-se destacar em cada teoria selecionada, aspectos centrais que auxiliassem na compreensão de como os autores trabalham os conceitos supracitados. A metodologia utilizada foi uma investigação teórica e conceitual de produção bibliográfica, de cunho exploratório, tendo como norteadoras as categorias analíticas “natureza” e “cultura/sociedade”. Priorizou-se o estudo em uma obra específica de cada autor selecionado, a saber, respectivamente, em Latour, Reagregando o Social – uma introdução à teoria do Ator-Rede (LATOUR, 2012), em Descola, Más allá de la naturaleza y cultura (DESCOLA, 2012), em Viveiros de Castro, Metafísicas Canibais – elementos para uma antropologia pós-estrutural (VIVEIROS DE CASTRO, 2015). Além destas obras de referência, foi feita uma pesquisa bibliográfica seletiva de artigos acadêmicos que discursaram sobre os autores e a temática da virada ontológica na Antropologia, com o intuito de complementar o trabalho proposto. Finalizou-se com avanços iniciais em possíveis dialogias entre os autores, contando como norteador conceitual os binômios natureza/cultura e ou natureza/sociedade.

 

Referências

DESCOLA, Philippe. Más Allá de Naturaleza y Cultura. Buenos Aires: Amorrortu, 2012.
DESCOLA, Philippe. Outras Naturezas, Outras Culturas. Tradução Cecília Ciscato. São Paulo: Editora 34, 2016.
DESCOLA, Philippe. Par-delà nature et culture. França: Ed. Gallimard, 2005.
FREIRE, Letícia de Luna Freire. Seguindo Bruno Latour: notas para uma antropologia simétrica. Comum, Rio de Janeiro, v. 11. p. 46-65, jan./jun., 2006.
GONZÁLEZ ABRISKETA, Olatz; CARRO RIPALDA, Susana. La Apertura Ontológica de la Antropología Contemporánea. Revista de Dialectologia y Tradiciones Populares, Pais Vasco, v. LXXI, n.1, p.101-128, jan./jun. 2016.
GONZALEZ, Z. K.; BAUM, C. Desdobrando a Teoria Ator-Rede: reagregando o social no trabalho de Bruno Latour. Pólis e Psique, Rio Grande do Sul, v.3, n. 1, p. 142-157, 2013.
HENARE, A., HOLBRAAD M. e Wastell, S. Thinking through Things: Theorising Artefacts Ethnographically. Londres: Routledge, 2006.
KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Tradução de Manoela Pinto dos Santos. 5. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.
LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34, 1994.
LATOUR, Bruno. Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Salvador: Edufba. Bauru: EDUSC, 2012.
LÉVI-STRAUSS, Claude. As Estruturas elementares do parentesco. Petrópolis: Vozes, 1982.
LIMA, Tânia Stolze. O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cosmologia tupi. Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 21-47, outubro de 1996.
NOBRE, J. C. De A.; PEDRO, R. M. L. R. Reflexões sobre possibilidades metodológicas da Teoria Ator-Rede. Cadernos UNIFOA, Volta Redonda, Ed. n. 14, p. 47-56, 2010.
TYLOR, Edward Burnett. Cultura Primitiva. Madrid: Ayuso, 1981 [1871].
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. (Anthropology) AND (Science). After-Dinner Speech at Anthropology and Science. The 5th Decennial Conference of the Association of Social Anthropologists of the UK and the Commonwealth. Manchester Papers. In Social Anthropology, 2003.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas Canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.
Publicado
12-07-2021