GRAFISMOS URBANOS:

estudo de caso das pichações no bairro Eldorado, em Contagem - MG

  • Erick Vinicius Pereira Lopes
Palavras-chave: Grafismos Urbanos. Pichações. Eldorado. Georreferenciamento.

Resumo

Grafismos Urbanos são formas que denotam um tipo ou certa forma de expressão produzidos com o intuito de se repassar algum tipo de mensagem ou informação, em variadas situações e escalas. Dentre eles, destacam-se então as pichações, que são formas de demarcar e impor a presença de pessoas ou grupos simbolicamente as e nas paisagens urbanas por meio de palavras, signos, formatos, cores e desenhos. Com as pichações, tem-se pistas, sobre as pessoas consideradas mais jovens, utilizando desses mecanismos e de atrações nas centralidades e em pontos estratégicos do espaço urbano. Assim, esse estudo tem como objetivo apresentar, compreender e analisar os padrões e densidades de modo genérico dos Grafismos Urbanos encontrados em uma importante centralidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH): o bairro Cidade Jardim Eldorado, em Contagem, Minas Gerais. Buscou-se ainda neste trabalho possíveis relações entre as pichações e o urbano. Utilizou-se de técnicas de inventariação juntamente com georreferenciamento para a criação de um mapa que ilustre a distribuição e dinâmica dos pichadores. A metodologia seguiu procedimentos adotados em trabalhos anteriores desenvolvidos na cidade de Belo Horizonte, sendo composta dos seguintes passos: planejamento de rotas; utilização dessas rotas para a realização de registros fotográficos das pichações; registro das suas coordenadas geográficas e preenchimento de formulários específicos para cada pichação; construção de um banco de dados alfanumérico; geração de estatísticas descritivas; e, posteriormente, a criação de um mapa coroplético, focando na densidade das manifestações, junto a análises estatísticas.

Referências

ANDRADE, Carlos. Ressonâncias do tipo cidade-jardim no urbanismo de cidades novas no Brasil. In: SEMINÁRIO DE HISTÓRIA DA CIDADE E DO URBANISMO: CINCO SÉCULOS DE CIDADE NO BRASIL, Anais..., v. 6, n. 1, p. 1-15, 2000. Disponível em: http://www.anpur.org.br/revista/rbeur/index.php/shcu/article/view/738/713. Acesso em: 20 nov. 2020.
BERNARDES, B. M; CASTRO, M. L. A. C. de. O Bairro Cidade Jardim Eldorado em Contagem: uma Perspectiva da Sustentabilidade Urbana. Geografia (Londrina), v. 24, n. 2, p. 59-83, jul./dez, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/VRNS-9S6FC8. Acesso em: 20 nov. 2020.
BIARCHI, R. PICHAR, PIXAR, GRAFITAR, COLAR: Os discursos e representações sobre as pichações nas escolas analisados na perspectiva ambiental e libertária. TEIAS, Rio de Janeiro, ano 8, p. 15-16, jan./dez 2007. Disponível em: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/download/24016/1698. Acesso em: 20 set. 2018.
BRASIL. Lei 12.408, de 25 de maio de 2011. Altera o art. 65 da Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para descriminalizar o ato de grafitar, e dispõe sobre a proibição de comercialização de tintas em embalagens do tipo aerossol a menores de 18 (dezoito) anos. Brasília: Presidência da República, Portal da Legislação, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12408.htm. Acesso em: 20 set. 2018.
BRASIL. Lei 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, Portal da Legislação, 1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9605.htm. Acesso em: 20 set. 2018.
BRITO, F; SOUZA, J. de. Expansão urbana nas grandes metrópoles: o significado das migrações intrametropolitanas e da mobilidade pendular na reprodução da pobreza. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 4, out./dez. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 88392005000400003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 nov. 2020.
BURZLAFF, V. P. Ponto e linha sobre plano: a pichação na região central da cidade de Porto Alegre. 2008. 44f. Monografia (Bacharelado em História) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/16042. Acesso em: 20 set. 2018.
CALDEIRA, T. P. R. São Paulo: três padrões de segregação espacial. In: CALDEIRA, T. P. R Cidade de Muros: Crime, Segregação e Cidadania. São Paulo: Editora 34/EDUSP, 2000.
CANEVACCI, M. A Cidade Polifônica. São Paulo: Studio Nobel, 1993.
CARVALHO, R. A. de C. Entre prezas e rolês: pixadores e pixações de / em Belo Horizonte. 2013. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas - FAFICH, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Belo Horizonte, 2013.
CHOAY, F. O Urbanismo: utopias e realidades, uma antologia. São Paulo: Perspectiva, 1998.
CONTAGEM, Prefeitura de. História de Contagem. 2013. Disponível em: http://www.contagem.mg.gov.br/?es=historia_contagem. Acesso em: 30 jul. 2018.
CUNHA, Pedro. Orçamento Participativo de Contagem/MG. 2010. 104f. Monografia (Especialização em Democracia, República e Movimentos Sociais), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.
DEMATTEIS. Progetto implícito: contributo della geografia umana alle scienze de territorio. Milano: Franco Angeli, 1995.
DINIZ, A. M. A, FERREIRA, R. G. B, LACERDA, A. G. Territórios Verticais Grafismos Urbanos no hipercentro de Belo Horizonte. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 20, n. 71, 2019. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/45174. Acesso em: 20 nov. 2020.
DINIZ, Alexandre Magno Alves, FERREIRA, Rodrigo Guedes Braz, LACERDA, Angélica Gonçalves. Territórios renitentes: os efeitos das políticas repressivas à pichação em Belo Horizonte (2011-2015) / Reluctant territories: the effects of repressive policies on graffiti in Belo Horizonte (2011-2015). Caderno de Geografia 27.50, p. 589-616, 2017.
DINIZ, Alexandre Magno Alves; FERREIRA, Rodrigo Guedes Braz; ALCÂNTARA, Sérgio Alves. Pichação, paisagem e território no hipercentro de Belo Horizonte. Caderno de Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, v. 22, n. 30, p. 85-103, 2015.
FERREIRA, Hamilton. A inserção de Contagem no contexto urbano da RMBH: reflexões sobre as transformações socioespaciais recentes. 2002. 130f. Dissertação (Mestrado em Geografia), Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.
FUINI, L. L. O território e suas variantes: uma incursão pela Geografia na pós-modernidade. Memórias do XV Encontro de Geógrafos da América Latina (EGAL). Havana-Cuba: Universidad de la Habana, v. 1, p. 1-20, 2015. Disponível em: http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal15/Teoriaymetodo/Conceptuales/03.pdf. Acesso em: 20 nov. 2020.
HAESBAERT, Rogério. Dilema de conceitos: espaço-território e contenção territorial. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009. cap. 5, p. 95-120.
IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia. Censo demográfico de 2010. 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/contagem/panorama. Acesso em: 30 jul. 2018.
IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia. Histórico de Contagem. 2013. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/minasgerais/contagem.pdf. Acesso em: 30 jul. 2018.
ISNARDIS, Andrei. Pinturas rupestres urbanas. Revista de Arqueologia, v. 10, n. 1, p. 143-161, dez. 1997. ISSN 1982-1999. Disponível em: https://revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/124. Acesso em: 20 set. 2018.
LOPES, E. V. P. (2020). A metropolização da pichação: evidências de Contagem e Ribeirão das Neves. Monografia (Graduação em Geografia) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em: http://bib.pucminas.br:8080/pergamumweb/vinculos/000076/000076e4.pdf. Acesso em: 20 nov. 2020.
MICHAELIS. Moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1998.
RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.
RAFFESTIN, Claude. A produção das estruturas territoriais e sua representação. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009. cap. 1, p. 17-35.
RAMOS, CMA. Grafite pichação &CIA. São Paulo: Editora Annablume, 1994.
SACK, R. Human Territoriality: its theory and history. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.
SANTOS, Milton. O papel ativo da geografia: um manifesto. Revista Território, Rio de Janeiro, v.10, n. 9, p. 103-09, 2000.
SAQUET, M. A. Proposições para estudos territoriais. GEOgrafia, ano VIII, n. 15, 2006. Disponível em: http://revista.fct.unesp.br/index.php/formacao/article/download/1142/1137. Acesso em: 8 nov. 2019.
SILVA. H. V. B. A da. Graffiti e pichação na paisagem urbana de Curitiba. Instituto Federal do Paraná - Campus Curitiba, Curitiba, 2013. Disponível em: http://curitiba.ifpr.edu.br/wp-content/uploads/2014/05/RELAT%C3%93RIO-FINAL_-Graffiti-e-Picha%C3%A7%C3%A3o-em-Curitiba-Heloisa-V-B-A-da-Silva.pdf. Acesso em: 20 nov. 2020.
SOUZA, David da Costa Aguiar de. Pichação carioca: etnografia e uma proposta de entendimento. 2007. 122f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.
TONUCCI FILHO, J. B. M. Espaço e território: um debate em torno de conceitos-chave para a geografia crítica. Revista Espinhaço, v. 2, n. 1, p. 41-51, 2013. Disponível em: http://www.revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/16/15. Acesso em: 9 nov. 2019.
TURCO, A. Verso uma teoria geografica della complessità. Milano: Edizioni Unicopli, 1998.
TURRI, E. La conoscenza del territorio. Metodologia per un'analise storico-geografica. Venezia: Marsilio, 2002.
Publicado
12-07-2021