CULTURAL E CORRIQUEIRO:

é salutar o uso do estrangeirismo na publicidade?

  • Wagner Santos de Santana
Palavras-chave: Estrangeirismo. Linguagem. Publicidade. Cultura.

Resumo

Pretendo, neste artigo, abordar aspectos teóricos que norteiam questões relativas ao uso de palavras estrangeiras na publicidade, além de apresentar a forma como tais ocorrências vêm sendo empregadas continuamente nos textos publicitários a partir de uma cultura. Objetiva-se salientar a importância dos termos estrangeiros em nossa língua. A metodologia desse estudo resulta do método descritivo. Para tanto, o objetivo geral foi o de compreender o uso contínuo dos termos estrangeiros na publicidade e a sua influência na contemporaneidade. Tomou-se como referência um panorama sobre as principais linhas teóricas do estrangeirismo, como Bagno (2004), Faraco (2004), Garcez; Zilles (2004), com o objetivo de ilustrar o significado do estrangeirismo e a sua existência no processo de enriquecimento do léxico brasileiro, além de Guimarães (2005) e Silva Neto (1987), a fim de compreender a história da língua portuguesa no Brasil. Neste estudo, analisei textos publicitários em que palavras estrangeiras são tidas como recursos estilísticos para a propaganda.

 

Referências

ADORNO, Theodor W. Tempo livre. In: ADORNO, Theodor W. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BAGNO, Marcos. Cassandra, fênix e outros mitos. In: FARACO, Carlos Alberto (org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 3. ed. São Paulo: Parábola editorial, 2004. p. 53-74.

CARVALHO, Nelly. Empréstimos Linguísticos. São Paulo: Ática, 1989. p. 54

CUNHA, Antônio Geraldo da. Os estrangeirismos da língua portuguesa: vocabulário histórico etimológico. São Paulo: Humanistas FFLCH/USP, 2003. p. 5-6.

FARACO, Carlos Alberto. Apresentação. In: FARACO, Carlos Alberto (org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 3. ed. São Paulo: Parábola editorial, 2004. p. 9.

GARCEZ, Pedro M.; ZILLES, Ana Maria S. Estrangeirismos: Desejos e ameaças. In: FARACO, Carlos Alberto (org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 3. ed. São Paulo: Parábola editorial, 2004. p. 15-18.

GUEDES, Paulo Coimbra. E por que não nos defender da língua. In: FARACO, Carlos Alberto (org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 3. ed. São Paulo: Parábola editorial, 2004. p. 127-133

GUIMARÃES, Eduardo. A Língua Portuguesa no Brasil. São Paulo: Revista Língua e Cultura. v. 57, n. 02, 2005.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2005.

MARTINS, Nilce Sant’Anna. Introdução à estilística. 2. ed. São Paulo: T.A. Queiroz/ EDUSP, 1997.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Ensaio para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2004. p.93.

OLIVEIRA, P. de. Enciclopédia do ensino integrado e supletivo. 6. ed. São Paulo: Li-bra Empresa Editorial, 1974. p.13.

POSSENTI, Sírio. A questão dos estrangeirismos. In: FARACO, Carlos Alberto (org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 3. ed. São Paulo: Parábola editorial, 2004. p. 173.

ROCHA, Luiz Carlos de Assis. Estrutura morfológica do português. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. p. 71

SENADO FEDERAL, Manual de Comunicação da Secom. Brasília: [S.I]. disponível em: . Acesso em: 15 novembro 2017

SILVA NETO, Serafim da. Introdução ao estudo da língua portuguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Presença/MEC. 1986. p. 67- 88.

SILVA, Zander Campos. Dicionário de marketing e propaganda. Pallas, 1976.
Publicado
12-07-2021