Os impactos de experiências de contextos de vulnerabilidade social sobre os processos de aprendizagem: o aluno entre o enjeitamento e a escola

Marina Taís Gabriel da Silva, Poliane Marta Rezende Pádua, Matheus de Oliveira Guimarães

Resumo


O objetivo deste trabalho é problematizar, a partir de um recorte específico, os impactos das condições de abandono sofridas por crianças em situação de vulnerabilidade social sobre os processos de aprendizagem. Partindo do pressuposto de que o meio influencia de forma significativa a formação e o desenvolvimento do indivíduo, esta pesquisa investiga, sem pretensões de generalização, o resultado da defasagem escolar de sete crianças regularmente matriculadas no quarto ano do Ensino Fundamental de uma escola pública municipal de uma cidade situada no centro-oeste mineiro. Busca-se, com este estudo, a apresentação de reflexões que contribuam para o desenvolvimento de ações com vistas à superação dos obstáculos de aprendizagem aos quais as crianças foram expostas durante o período de investigação. Como estratégia metodológica, recorreu-se ao estudo de caso a partir da observação dessas crianças durante um período de dez meses entre fevereiro e novembro de 2017. Esses alunos, durante o intervalo da investigação, residiam e estudavam em bairro de baixa renda do município tomado como locus da pesquisa. Os referenciais teóricos utilizados para embasar as conceptualizações deste estudo foram: Dubet (2008), Cury (2002), Piletti; Praxedes (2010), Wallon (1968) e Vigotski (1984) – dentre outros. Os resultados da pesquisa remetem ao entendimento de que as trajetórias de vida dessas crianças que experienciaram, durante o período em que foram observadas, múltiplas formas de violência (desde situações de fome a agressões de cunho físico, moral e psicológico), impactam de maneira inquestionável seu percurso escolar, explicando seu baixo desempenho, suas posturas e seus medos e apelos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Luana Costa; STOCO, Sergio. Desempenho escolar e vulnerabilidade social: elementos para se pensar a formulação de políticas públicas educacionais. In: 35ª Reunião Anual da ANPED, 2012, Porto de Galinhas. Educação, cultura, pesquisa e projetos de desenvolvimento: o Brasil do século XXI. Rio de Janeiro: Anped, 2012. v., p. 1-17.

ARROYO, Miguel G. Outros sujeitos, outras pedagogias. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

BEE, Helen. O ciclo Vital. Porto Alegre: Artmed, 1997.

BRASIL. O Direito à Educação: Um campo de atuação do gestor educacional na escola. Escola de Gestores. Brasília/DF: MEC, 2005. Disponível em: https://moodle3.mec.gov.br/ufscar/file.php/1/gestores/direito/pdf/jamilcury.pdf. Acesso em: 07 abr. 2018.

CASTRO, M. G.; ABRAMOVAY, M. Jovens em Situação de Pobreza, Vulnerabilidades Sociais e Violências. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), São Paulo, v. 116, p. 143-176, 2002.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A educação básica no Brasil. Educação & Sociedade. Campinas-SP, v. 23, n. 80, setembro/2002, p. 168-200. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 07 abr. 2018.

CURY, Carlos Roberto Jamil. O direito à educação: Um campo de atuação do gestor educacional na escola. Disponível em: Acesso em: 08 abr. 2018.

DAYRELL, Juarez. (2012), “Juventude, socialização e escola”. In: DAYRELL, Juarez; NOGUEIRA, Maria Alice; RESENDE, José Manuel [e] VIEIRA, Maria Manuel (Org.). Família, escola e juventude, olhares cruzados Brasil - Portugal. Belo Horizonte, Editora UFMG.

DEL MORO, Rosangela; PAGANINI, J. A utilização dos princípios do Direito da criança e do adolescente como mecanismos de efetivação dos direitos fundamentais. Revista Amicus Curiae, v. 06, p. 1-13, 2009.

DUBET, François. O que é uma escola justa? A escola das oportunidades. São Paulo: Cortez, 2008.

FARAH, Martha et al. Neurocognitive enhancement: what can we do and what should we do? Nature Reviews Neuroscience, v. 5, n. 5, p. 421-425, 2004.

FERREIRA, Marlene de Cássia Trivellato; MARTURANO, Edna Maria. Ambiente familiar e os problemas do comportamento apresentados por crianças com baixo desempenho escolar. Psicologia: Reflexão e Critica, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 35-44, 2002.

FERREIRO, M., TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1974. In: VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. (Org.). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1998. p. 103-117.

GUARESCHI, N. M. F.; REIS, Carolina dos; HÜNING, Simone Maria; BERTUZZI, Leticia. Intervenção na Condição de Vulnerabilidade Social: um estudo sobre produção de sentidos com adolescentes do Programa SASE - Trabalho Educativo. Estudos e Pesquisas em Psicologia (UERJ. Impresso), v. 7, p. 17-27, 2007.

INFANTE, F. A. Resiliência como processo: uma revisão da literatura recente. In: Melillo A, Ojeda ENS, organizadores. Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. São Paulo: Artmed; 2005. p. 23-38.

KOLL, Marta de Oliveira. Vygotsky: Aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 2010.

LIMA, R. A. G. (2012). Direitos da criança e do adolescente: Desafios atuais. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(3), 425-426.

MATTIOLI, Daniele D.; OLIVEIRA, Rita de C. da S. Direitos humanos de crianças e adolescentes: o percurso da luta pela proteção. Imagem da Educação. Vol. 3, n. 2, p. 14-26. 2013. Disponível em: Acesso em: 06 abr. 2018.

OLIVEIRA, L. A.; MENDES, P. C.; BACELAR, W. K. A. Identificação de territórios de vulnerabilidade social: construção metodológica e aplicação em Uberlândia/MG. 2015. Exame de qualificação (Mestrando em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia.

PEREIRA, S. E. F. N. Crianças e adolescentes em contexto de vulnerabilidade social: articulação de redes em situação de abandono ou afastamento do convívio familiar. Aconchego, 1. v. 1, n. 1, p. 21, 2010.

PIAGET, J. Psicologia e Epistemologia. Rio de Janeiro: Forense, 1973.

PIAGET, J.; GRECO, P. Aprendizagem e conhecimento. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1974.

PILETTI, Nelson; PRAXEDES, Walter. Sociologia da educação: Do positivismo aos estudos culturais. São Paulo: Editora Ática, 2010.

PRATI, L.; COUTO, M. C. P. P.; KOLLER, S. H. Famílias em Vulnerabilidade Social: rastreamento de termos utilizados por terapeutas de família. Psicol Teor Pesqui. 2009; jul-set, 25(3):403-408.

RAPOPORT, Andrea; DA SILVA, Sabrina Boeira. Desempenho escolar de crianças em situação de vulnerabilidade social. Revista educação em rede: formação e prática docente - ISSN 2316-8919, [S.l.], v. 2, n. 2, abr. 2013. ISSN 2316-8919. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2018.

RIBEIRO, V. M; VÓVIO, C. L. Desigualdade escolar e vulnerabilidade social no território. Educar em revista (impresso), v. 33, p. 71-87, 2017.

ROSA, Antonia Valbênia Aurélio; MATTOS, C. L. G. A exclusão vai à escola: da sociedade ao sistema de escolarização. 2014. (Apresentação de Trabalho/ Comunicação).

SANTOS, Karine; PAULA, Ercília Maria Angeli T. A teoria de Paulo Freire como fundamento da Pedagogia Social. Interfaces Científicas: Educação. Aracaju, v. 3, n.1, Out. 2014, p. 33-44

SMITH, C.; STRICK, L. Dificuldades de Aprendizagem de A a Z: um guia completo para pais e educadores. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

TEIXEIRA, E. C. Resiliência e vulnerabilidade social: uma perspectiva para a educação sociocomunitária da adolescência. 1. ed. PETRÓPOLIS- RJ: Vozes, 2015. v. 1. 118 p.

VYGOTSKY, L. S. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins fontes, 1968.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.