“Somos homens, somos cristãos, somos portugueses” – D. Cipriano de São José e a relação com a Coroa nas terras de Minas ("We are men, we are Christians, we are Portuguese"–D. Cipriano de São José and the relationship with Crown at the lands of the Minas)

  • Leonardo Oliveira de Queiroz Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).
Palavras-chave: Coroa portuguesa, Discurso eclesiástico, Imaginário, Prelado, Religioso.

Resumo

Analisar o projeto de Igreja de um bispo através de seu discurso implica em um debruçar-se sobre o imaginário de toda uma sociedade, incluindo-se, nesta perspectiva, representações da vida laica e também espiritual. Dom Cipriano de São José, bispo da então diocese de Mariana 1798-1817, embora dotado de autoridade religiosa pelas determinações do Concílio Tridentino, tinha seu poder efetivamente limitado em função do regime de Padroado, assim como outros prelados da América Portuguesa. Postula-se, como principal hipótese deste trabalho, que a Igreja de Mariana, sob o episcopado de Dom Cipriano, adotou uma postura de colaboração com a Coroa portuguesa. Tal hipótese possibilita, por sua vez, situar D. Cipriano como um sujeito que procurava concatenar os poderes e obrigações que permeavam as diversas esferas públicas, assumindo a figura pública de um bispo que também via-se na contingência de reconhecer-se como súdito e vassalo do monarca português.

 

ABSTRACT

Analyzing a bishop’s church project through his speech implies in submerging in the imaginary of a whole society, including in this perspective representations of secular and spiritual life. Dom Cipriano de São José, Bishop of the diocese of Mariana from 1798 to 1817, although gifted with religious authority by the Council of Trent, had his power effectively limited by the regime of Patronage, as well as other prelates from the Portuguese America. This article postulates as its main hypothesis that the Church of Mariana adopted a posture of collaboration with the Portuguese crown under Dom Cipriano's episcopate. This hypothesis makes it possible to situate D. Cipriano as a man who tried to concatenate the powers and obligations that permeated the different public spheres at that time, assuming the public figure of a bishop who also recognized himself as a subordinate and vassal of the Portuguese king.

Keywords: Portuguese Crown; Ecclesiastical discourse; Imaginary; Prelate; Religious man.

Biografia do Autor

Leonardo Oliveira de Queiroz, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).
Cursando Bacharelado e Licenciatura em História pela Universidade Federal de Ouro Preto. Integra o Grupo de Pesquisa de Historiografia Religiosa da mesma Universidade. Pesquisa o discurso eclesiástico de Dom Frei Cipriano de São José na diocese de Mariana-MG.

Referências

ARQUIVO ECLESIÁSTICO DA ARQUIDIOCESE DE MARIANA. Excerto da Carta pastoral de Dom Cipriano de São José. AEAM, Cx. 18, f. 90v-90v, 24 de outubro de 1800.

AZEVEDO, Thales. Igreja e Estado em tensão e crise: a conquista espiritual e o Padroado na Bahia. São Paulo: Ática, 1978.

BOSCHI, Caio César. Os leigos e o poder: irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais. São Paulo: Ática, 1986.

CARRATO, J. F. As Minas Gerais nos primórdios do Caraça. São Paulo: Nacional, 1963.

CASSIRER, Ernest. A Filosofia do Iluminismo. São Paulo: Editora da Unicamp, 1994.

CERTEAU, Michel de. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

FALCON, Francisco José Calazans. A cultura Renascentista Portuguesa. Revista Semear (PUC-Rio), Rio de Janeiro, n. 1, 1997. Disponível em: <http://www.letras.puc-rio.br/unidades&nucleos/catedra/revista/1Sem_03.html> Acesso em: 16 maio de 2012.

HOORNAERT, Eduardo et al. História da Igreja no Brasil. Primeira época. Petrópolis: Vozes, 1992.

HARRISON, Peter. Ciência e Religião: construindo os limites. Disponível em: <http://www.pucsp.br/rever/rv1_2007/t_harrison.htm>. Acesso em: 22 de maio de 2010.

JUNIOR, A. Lima. A Capitania das Minas Gerais (origem e formação). Belo Horizonte: Itatiaia, 1965.

KOSELLECK, Reinhart. Introdução. In: KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro: UERJ/Contraponto, 1999.

LAGRÉE, Michel. Histoire religieuse, histoire culturelle. In: RIOUX, Jean Pierre; SIRINELLI, Jean François (Org.). Pour une histoire culturelle. Paris: Seuil, 1997.

LATOUR, Bruno. Jamais Fomos Modernos: ensaio de antropologia simétrica. 34. ed, 1994.

MARTINS, João Paulo. Política e História no Reformismo Ilustrado Pombalino (1750-1777). 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Pós-Graduação em História, Belo Horizonte.

OLIVEIRA, Alcilene Cavalcante de. A difusão da doutrina católica em Minas Gerais no século XVIII: análise das pastorais dos bispos. História: questões e debates, Curitiba, n. 36, p. 189-217, 2002.

RODRIGUES, André Figueiredo. Tomás Antônio Gonzaga em verso e prosa: comentário de cinco publicações recentes. Revista de História (USP), São Paulo, n. 139, p. 119-123,1998.

RUPERT, Arlindo. A Igreja no Brasil. 2. v. Santa Maria: Pallotti, 1981.

SOUZA FILHO, Danilo Marcondes de. A filosofia da linguagem de J. L Austin. In: AUSTIN, John Langshaw. Quando dizer é fazer. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

TORRES-LONDOÑO, Fernando. Sob a autoridade do pastor e a sujeição da escrita: os bispos do Sudeste do Brasil do século XVIII na documentação pastoral. História: questões e debates, Curitiba, n. 36, 161-188, 2002.

TRINDADE, Raimundo. Arquidiocese de Mariana: subsídios para sua história. 2. ed. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1953. 2 v.

TRINDADE, Raimundo. Instituições de igrejas no Bispado de Mariana. Rio de Janeiro: Publicações do SPHAN, 1945.

VASCONCELLOS, Diogo de. História do Bispado de Mariana. Belo Horizonte: Apolo, 1935.

Publicado
20-05-2013
Seção
Artigos/Articles