Justiça eclesiástica e ação inquisitorial nas Minas setecentistas: o casamento do padre José Rodrigues Pontes (Ecclesiastical justice and inquisitorial action in Minas Gerais in the eighteenth century: the marriage of priest José Rodrigues Pontes)

  • Rhulio Rodd Neves de Aguiar
Palavras-chave: Tribunal Eclesiástico, Tribunal do Santo Ofício, Padre.

Resumo

A proposta desse artigo é analisar como a justiça eclesiástica auxiliava na atuação do Tribunal do Santo Ofício de Lisboa na Capitania de Minas Gerais, tendo como base a ação inquisitorial empreendida contra os padres José Rodrigues Pontes, Francisco Justiniano Pereira de Carvalho e Sebastião José da Freiria, residentes em São João Del Rei, Comarca do Rio das Mortes (1799-1809). Tal ação judicial aconteceu em decorrência do casamento do padre Pontes com Policena Xantipa. Este clérigo conseguiu convencer outros dois sacerdotes, através de um breve falso, a realizar a cerimônia matrimonial. O fato chamou a atenção da justiça eclesiástica, representada pelo vigário da vara, que decretou a prisão dos envolvidos, transportando-os para a sede do bispado, em Mariana. Ali, o vigário-geral, pautando-se pelas Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia, remeteu-os para o Tribunal do Santo Ofício, em Lisboa, que possuía jurisdição sobre os delitos cometidos na América portuguesa.

 

ABSTRACT

The purpose of this article is to analyze as the ecclesiastical justice helped in acting of Tribunal of Holy Office of Lisbon in Captaincy of Minas Gerais, based on the inquisitorial action against the priests José Rodrigues Pontes, Francisco Justiniano Pereira de Carvalho and Sebastião José da Freiria who lived in São João Del Rei, County of Deaths (1799-1809). This lawsuit came as a result of the marriage of priest José Rodrigues Pontes with Policena Xantipa. The priest convinced two other priests, through a false brief, to perform the marriage ceremony. This fact was investigated by the ecclesiastical justice, represented by the vicar of jurisdiction, which ordered the arrest of those involved, transporting them to the seat of the bishopric of Mariana. The general vicar, guiding by the First Constitutions of the Archbishopric of Bahia, remitted them to the Tribunal of the Holy Office, in Lisbon, which had jurisdiction over crimes committed in Portuguese America.

Biografia do Autor

Rhulio Rodd Neves de Aguiar

Possui Licenciatura e Bacharelado em História pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2011). É professor de História no Ensino Fundamental da Rede Pública Estadual de Ensino de Minas Gerais. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil colonial e sobre o funcionamento do Tribunal do Santo Ofício de Lisboa.

Referências

Fontes primárias

Fontes impressas

VIDE, Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. São Paulo: Na Typographia de Antonio Louzada Antunes, 1853a.

VIDE, Sebastião Monteiro da. Regimento do Auditório Ecclesiástico do Arcebispado da Bahia. São Paulo: Na Typographia de Antonio Louzada Antunes, 1853b.

Fontes manuscritas

ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO. Conselho Ultramarino. Brasil – Minas Gerais (1680 – 1832), Cx. 157, Doc. 7, Arroios, 7-3-1801.

ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO. Tribunal do Santo Ofício. Inquisição de Lisboa. Livro de contas e lembranças do padre Francisco Justiniano Pereira de Carvalho. Liv. 931, 1786-1799. <http://digitarq.dgarq.gov.pt?ID=4520564>. Acesso em: 17 maio 2010.

ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO. Tribunal do Santo Ofício. Inquisição de Lisboa. Processos, proc. 12571, 1799-1809. Disponível em: <http://digitarq.dgarq.gov.pt/?ID=2312774#a1>. Acesso em: 17 maio 2010.

Fontes Secundárias

AZZI, Riolando. A Instituição Eclesiástica durante a primeira época colonial. In: HORNAERT, Eduardo et al. História da Igreja no Brasil: ensaio de interpretação a partir do povo: primeira época – período colonial. Petrópolis: Vozes, 1977. p. 153-242.

BERGIER. Diferentes clases de bigamia. In: BERGIER. Diccionario de teologia. Madrid: Imprenta de D. Primitivo Fuentes, 1846. Tomo II. p. 721. Segunda version en castellano.

BETHENCOURT, Francisco. História das Inquisições: Portugal, Espanha e Itália: séculos XV-XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

BOLTON, Brenda. A reforma na Idade Média: século XII. Trad.: Maria da Luz Veloso. Lisboa: Edições 70, 1983.

BOSCHI, Caio César. As visitas diocesanas e a Inquisição na Colônia. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.7, n.14, 1987. Disponível em: <http://www.anpuh.org/revistabrasileira>. Acesso em: 13 mar. 2010.

CALAINHO, Daniela Buono. Agentes da fé: familiares da Inquisição portuguesa no Brasil colonial. Bauru: EDUSC, 2006.

CRUZ, Elias Felipe de Souza. As visitas diocesanas nas Minas setecentistas: poder episcopal e sociabilidades na Comarca do Rio das Mortes durante a primeira metade do século XVIII. 2009. 82f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora. Disponível em: <http://www.ufjf.br/ppghistoria/files/2009/12/Elias-Felipe.pdf>. Acesso em: 03 set. 2010.

FEITLER, Bruno. Nas malhas da consciência: Igreja e Inquisição no Brasil: Nordeste 1640-1750. São Paulo: Alameda, 2007.

FEITLER, Bruno. Poder episcopal e ação inquisitorial no Brasil. In: VAINFAS, Ronaldo; FEITLER, Bruno; LIMA, Lana Lage da Gama. (Org). Inquisição em xeque: temas, controvérsias, estudos de caso. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2006.

FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida. Peccata mundi: a “pequena inquisição” mineira e as devassas episcopais. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Org). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas. Belo Horizonte: Companhia do Tempo, Autêntica, 2007. v. 2. p. 109-128.

HIGGS, David. Servir ao Santo Ofício nas Minas setecentistas: o comissário Nicolau Gomes Xavier. In: VAINFAS, Ronaldo; FEITLER, Bruno; LIMA, Lana Lage da Gama. (Org). Inquisição em xeque: temas, controvérsias, estudos de caso. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2006.

HIGGS, David. Comissários e familiares da Inquisição no Brasil ao fim do período colonial. In: NOVINSKY, Anita; CARNEIRO, Maria Luiza Tucci (Org.). Inquisição: ensaios sobre mentalidade, heresias e arte. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura; São Paulo: EDUSP, 1992. p. 374-388.

JANUÁRIO, Mayara Amanda. Entre o amor e o sacrilégio: o casamento do padre José Rodrigues Pontes. 2009. 94f. Monografia (Conclusão do curso) – Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei.

LIMA, Lana Lage da Gama. Guardiães da penitência: o Santo Ofício português e a punição dos solicitantes. In: NOVINSKY, Anita; CARNEIRO, Maria Luiza Tucci (Org.). Inquisição: ensaios sobre mentalidade, heresias e arte. São Paulo: EDUSP, 1992. p. 739-749.

LIPINER, Elias. Santa Inquisição: terror e linguagem. Rio de Janeiro: Documentário, 1977.

LOYN, H. R. Inquisição. In: LOYN, H. R. Dicionário da Idade Média. Trad.: Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. p. 495-496.

NUNES, Aline Beatriz Borges. A Capitania de Minas Gerais entre 1750 e 1777: o clero secular e o regalismo. 2010. 83 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2011.

PIRES, Maria do Carmo. Juízes e infratores: o Tribunal Eclesiástico do Bispado de Mariana (1748-1800). Belo Horizonte: PPGH/UFMG; 2008.

RESENDE, Maria Efigênia Lage de. Itinerários e interditos na territorialização das Geraes. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Org.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas. Belo Horizonte: Companhia do Tempo, 2007. v. 1. p. 25-53.

RODRIGUES, Aldair Carlos. Formação e atuação da rede de comissários do Santo Ofício em Minas colonial. Revista Brasileira de História. v. 29, n. 57, p. 145-164, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbh/v29n57/a06v2957.pdf>. Acesso em: 11 set. 2009.

RODRIGUES, Aldair Carlos. Sociedade e Inquisição em Minas Colonial: os familiares do Santo Ofício (1711-1808). 2007. 229 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: <http://www.catedra-alberto-benveniste.org/_fich/17/dissertacao_familiares_santo_oficio.pdf>. Acesso em: 23 maio 2009.

SALGADO, Graça (Coord.). Administração eclesiástica. In: SALGADO, Graça. Fiscais e Meirinhos: administração no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. p. 113-121.

SILVA, Marilda Santana da. As mulheres no Tribunal Eclesiástico do Bispado de Mariana (1748-1830). 1998. 180f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Pós-Graduação em História Social do Trabalho. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=000126071>. Acesso em: 14 ago. 2010.

VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos pecados: moral, sexualidade e inquisição no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

ZERNER, Monique. Heresia. In: LE GOFF, Jacques; SCHMITT, Jean-Claude. Dicionário temático do Ocidente Medieval. Coordenador da tradução: Hilário Franco Júnior. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002. v. 1. p. 503-521.

Publicado
04-09-2012
Seção
Artigos/Articles