A mudança institucional da OTAN no pós- Guerra Fria: uma análise da evolução do Conceito Estratégico a partir do modelo de Mahoney e Thelen

NATO’s institutional change in the post-Cold War: an analysis on the evolution of the Strategic Concept in the perspective of Mahoney and Thelen’s model

  • Vlademir Monteiro UFPE
Palavras-chave: Mudança institucional, OTAN, Conceito Estratégico

Resumo

Este artigo discute o impacto da reformulação, no pós-Guerra Fria, do Conceito Estratégico no arcabouço normativo da OTAN. O Conceito Estratégico prescreve as diretrizes e as práticas que norteiam a conduta da organização. Desde o desmantelamento da ordem bipolar, foram elaborados três documentos desse tipo – um em 1991, outro em 1999 e o mais recente em 2010 e cada um deles introduziu novidades no tocante à função, o escopo e área de atuação da Aliança Atlântica, enquanto também preservou outras regras. Diante do exposto, pretende-se explicar esse processo sob a ótica do estudo de Mahoney e Thelen acerca da mudança institucional. O objetivo é analisar como o CE impacta a trajetória evolutiva da entidade e como os conflitos de interesses nos quais sua elaboração se insere formatam o conteúdo de cada versão e o tipo de mudança. Em termos metodológico, o trabalho se estrutura como um estudo de caso único, que recorre ao exame de documentos oficiais e o uso de fontes secundárias. Entre os resultados, se constata que a trajetória de mudança na OTAN é marcada por revisões substanciais em suas atribuições funcionais e uma dilatação de seu alcance geográfico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vlademir Monteiro, UFPE

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da UFPE. Residente em João Pessoa,
Brasil. Membro do Núcleo de Estudos Americanos e do Grupo de Pesquisa em Estudos Estratégicos e Segurança Internacional. Áreas de interesse: Segurança Internacional, Teoria das RI, Oriente Médio. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2800-6194

Referências

BURTON, J. NATO’s durability in a post-Cold War world. Albany: State University of New York, 2018.
DENI, J. Alliance management and maintenance: restructuring NATO for the 21st century. Hampshire: Ashgate, 2007.
FRANTZEN, H. NATO and peace support operations 1991-1999: policies and doctrines. Oxon: Frank Cass, 2005.
GHECIU, A. NATO in the New Europe: the politics of international socializations after the Cold War. Sandford: Stanford University Press, 2005.
GLASER, C. Realists as optmistis: cooperation as self-help. International Security, v. 19, n. 3, p. 50-90, 1994.
GRIECO, J. Anarchy and the limits of cooperation: a realist critique if the newest liberal institutionalist. International Organization, v. 42, n. 3, pp. 485-507, 1988
KAY, S. NATO and the United States. In PAPACOSMA, V; HEISS, M. (eds), NATO in the post-Cold War era: does it have a future. Hampshire: MacMillan Press, 1995, p. 151-178.
KEOHANE, R. After hegemony: cooperation and discord in the world political economy. Princepton: Princepton University Press, 1984.
KEOHANE, R.; MARTIN, L. The Promise of Institutionalist Theory. International Security, v. 20, n. 1, p. 39-51, 1995.
MAHONEY, J; THELEN, K. A theory of gradual institutional change. In MAHONEY, J; THELEN, K. (eds). Explaining institutional change: ambiguity, agency and power. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.
MEARSHEIMER, J. Back to the future: instabilbity in Europe after the Cold War. International Security, v. 15, n. 1, p. 5-56, 1990.
MEARSHEIMER, J. The false promise of international institutions. International Security, v. 19, n. 3, p. 5-49, 1994.
MOORE, R. NATO's new mission: projecting stability in a post-Cold War world. Westport: Praeger, 2007.
NOETZEL, T; SCHREER, B. Does a multi-tier NATO matter? The Atlantic allaince and the process of strategic change. International Affairs, v. 85, n. 2, p. 211-226, 2009.
OYE, K. Explaining cooperation under anarchy: hypothesis and strategies. World Politics, v. 38, n. 1, p. 1-24, 1985
OTAN. Address to the North Atlantic Council. OTAN, Bruxelas, abr. 1989. Disponível em:< https://www.nato.int/docu/speech/1989/s890404a_e.htm >. Acesso em: 15 mar. 2020
OTAN. The North Atlantic Treaty. OTAN, Washington, abr. 1949. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2020.
OTAN. The Strategic Concept for the Defence of the North Atlantic Area. OTAN, Washington, dec. 1949. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2020.
OTAN. The North Atlantic Treaty Organization Medium Term Plan. OTAN, abr. 1950. Disponível em: < https://www.nato.int/docu/stratdoc/eng/a500328d.pdf>. Acesso em 15 mar. 2020
OTAN. The Alliance's New Strategic Concept. Londres. OTAN, nov. 1991. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2020.
OTAN. The Alliance's Strategic Concept. OTAN, Washington, abr. 1999. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2020.
OTAN. Strategic Concept 'Active Engagement, Modern Defence. OTAN, Lisboa, nov. 2010. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2020.
OTAN. Consensus decision-making at NATO. OTAN, Bruxelas. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2020.
SMITH, M. NATO in the first decade after the Cold War. Sandhurst: Springer, 2000.
SMITH, M. Afghanistan in context: NATO out-of-area debates in the 1990s. UNISCI, Madrid, jan. 2010. Disponível em:< https://www.redalyc.org/pdf/767/76712438003.pdf >. Acesso em 15 mar. 2020.
STROMSEHT, J. The North Atlantic Treaty and European Securitu after the Cold War. Cornell International Law Jorunal, 24(3), pp. 479-502, 1991
WALT, S. The Origins of Alliances. Ithaca : Cornell Univeristy Press. 1987.
WALTZ, K. Theory of International Politics. Reading: Addison Wesley Publishing Company. 1979.
Publicado
28-06-2021
Como Citar
Monteiro, V. (2021). A mudança institucional da OTAN no pós- Guerra Fria: uma análise da evolução do Conceito Estratégico a partir do modelo de Mahoney e Thelen. Estudos Internacionais: Revista De relações Internacionais Da PUC Minas, 9(2), 132-152. https://doi.org/10.5752/P.2317-773X.2021v9n2p132-152