FEMINISMOS, SEXUALIDADES E ESPAÇOS URBANOS DE RESISTÊNCIA

  • Marina Grandi Giongo UFRGS
  • Laila Sabrina Shams UFRGS
Palavras-chave: FEMINISMOS, ESPAÇOS DE RESISTÊNCIA, CORPO, CIDADE, SEXUALIDADE, PROSTITUIÇÃO

Resumo

O presente texto discorre sobre os estereótipos e os papéis formais criados na sociedade em relação às mulheres, elementos interconectados com a propriedade de seu corpo e sexualidade. Os espaços urbanos são repletos de mensagens de um imaginário sexual, enquanto que o sexo ainda é visto, tratado e dialogado como um tabu. Sexualiza-se o corpo das mulheres em vitrines, revistas, propagandas ao mesmo tempo em que se tenta restringi-las a uma esfera privada de pureza e domesticidade. O ensaio tem por marco teórico o feminismo a partir de uma abordagem interseccional, respeitando o empirismo das experiências e vivências humanas. Através da revisão de textos feministas que tratam sobre corpo, identidade, sexualidade e espaços urbanos, compreende-se que o feminismo é plural e necessita constantemente desconstruir os significados patriarcais de ser mulher, reconhecendo as diferentes desigualdades e dialogando com as múltiplas resistências que habitam as cidades.

Biografia do Autor

Marina Grandi Giongo, UFRGS

Doutoranda em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Mestra em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS); Especialista em Gênero e Sexualidade pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Jurista graduada em Ciências Jurídicas e Sociais (PUCRS) e Especialista em Direito de Família e Sucessões pela PUCRS.
Contato: marinagiongo@hotmail.com / +55 51 9 9825 5050
Link Lattes: <http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4353794Z9>

Laila Sabrina Shams, UFRGS

Mestranda em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Especialização em andamento em Gestão Financeira e Controladoria pela Universidade La Salle – Canoas (UNILASALLE, Brasil); Graduada em Relações Internacionais Universidade La Salle – Canoas (UNILASALLE, Brasil)
Contato: lailashams77@gmail.com / +55 51 9 9332 7578
Link Lattes: <http://lattes.cnpq.br/3507255832501105>

Referências

BEAUVOIR, Simone De. O Segundo Sexo: Volume Único. 1 ed. Brasil: Nova Fronteira, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina: A condição Feminina e a Violência Simbólica. 15 ed. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade. 8 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em Movimento. Estudos Avançados, 17 (49), p. 117-132, 2003.

CYFER, Ingrid. Afinal, O que é uma Mulher? Simone De Beauvoir e “A Questão do Sujeito” na Teoria Crítica Feminista. Lua Nova. São Paulo, 93: 329-341, 2014.

DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DE SOUZA, E. et al. A Construção Social dos Papéis Sexuais Femininos. Psicologia: Reflexão e Crítica. Porto Alegre: vol.13 n.3, 2000. Disponível em:

<http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722000000300016> Acesso em: 12 jan. 2019.

FALÚ. Ana. El Derecho de Las Mujeres a la Ciudad. Espacios Públicos sin Discriminaciones y Violencias. Revista Vivienda y Ciudad. ISSN 2422-670X, Vol. , p. 10-28, 2014.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa. Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva. 1 ed. São Paulo: Elefante, 2017.

FEDERICI, Silvia. Mulheres e Caça às Bruxas: Da Idade Média aos Dias Atuais. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 1: A vontade de saber. 8 ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019a. Coleção Biblioteca de Filosofia.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 2: O uso dos prazeres. 6 ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019b. Coleção Biblioteca de Filosofia.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 3: O cuidado de si. 5 ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019c. Coleção Biblioteca de Filosofia.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595 – 609, set./dez. 2007.

HOOKS, Bell. Mulheres Negras: Moldando a Teoria Feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, nº16. Brasília, janeiro/abril de 2015, pp. 193-210. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151608

JUNO, M. SMITH, M. Revolting Prostitutes: The Fight for Sex Workers’ Rights. London: Verso, 2018.

MACKINNON, Catharine A. Toward a feminist theory of the state. Reprint Edition. Massachusetts, EUA: Harvard University Press, 1991.

PATEMAN, Carole. O Contrato Sexual. 1 ed. Rio De Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PRADA, Monique. Putafeminista. São Paulo: Veneta (Coleção Baderna), 2018.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Feminismos Plurais. Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1979, pp. 134-186.

TAVARES, R. B. Práticas sociais de resistência na perspectiva de gênero contra indiferença à diferença: por um planejamento de possibilidades. XVII ENANPUR. Sessão Temática 10: Perspectivas para o Planejamento Urbano e Regional. São Paulo, 2017.

TIBURI, Marcia. Feminismo em Comum: Para todas, todes e todos. 7 ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

WEITZER, Ronald (Ed). Sex for Sale: Prostitution, Pornography and The Sex Industry. 2 ed. New York: Routledge, 2010.

WOOLF, Virginia. Selected Works of Virginia Woolf. Londres: Wordsworth Editions Limited, 2005.

Publicado
07-04-2021