REFLEXÕES SOBRE DIREITO À CIDADE E GÊNERO: A LUTA PELA DEMOCRATIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DA CIDADE

  • Raquel Garcia Gonçalves UFMG
  • Amanda Sayuri Kowara Santos UFMG
  • Ana Urbano Borges UFMG
Palavras-chave: DIREITO À CIDADE, ESPAÇOS PÚBLICOS, GÊNERO

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo discutir a questão de gênero na produção e apropriação da cidade, considerando que a mulher vem sendo excluída, historicamente, das decisões que incidem sobre o espaço urbano e, ao mesmo tempo, vem sendo privada de se apropriar dos espaços públicos de forma livre. Parte-se da ideia proposta por Lefebvre (1968) e reafirmada por Harvey (2014) de direito à cidade, que se configura muito mais como retórica do que como realização para a maioria da população, destacando, aqui, as mulheres. Considera-se que a luta pelo direito à cidade envolve uma incessante busca pelo acesso amplo e irrestrito ao espaço e à vida urbana, mas, mais do que isso, envolve uma luta pela democratização da cidade. Ressalta-se, assim, a importância da ação direta e dos corpos nas ruas para a reafirmação das identidades e a conquista de direitos. O trabalho tem início com uma discussão sobre a ideia de direito à cidade e espaço público, relacionada à questão de gênero. Em seguida, serão analisados modelos urbanísticos do século XX, pautados por uma visão masculina, que deram origem às cidades atuais, destacando a cidade de Belo Horizonte. Por fim, serão feitos apontamentos sobre os levantes feministas, demonstrando a importância do aparecimento dos corpos femininos no meio urbano como forma de resistência à lógica patriarcal dos espaços. A pesquisa contará com uma revisão bibliográfica e com análise de dados produzidos pelo Observatório de Conflitos Urbanos de Belo Horizonte, situado na Escola de Arquitetura da UFMG.

Biografia do Autor

Raquel Garcia Gonçalves, UFMG

Doutora em Planejamento Urbano e Regional pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional – IPPUR/UFRJ (2005) e Coordenadora do Observatório dos Conflitos Urbanos de Belo Horizonte. Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001). Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFMG. Professora do Departamento de Urbanismo e do Núcleo de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (NPGAU) da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais.
ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0166-811X
Contato: raquelgargon@hotmail.com / (31)99308-8771

Amanda Sayuri Kowara Santos, UFMG

Estudante de Arquitetura e Urbanismo na Escola de Arquitetura da UFMG. Pesquisadora do Observatório dos Conflitos Urbanos de Belo Horizonte.
Contato: saayuri12@gmail.com / (31) 99308-8771

 

Ana Urbano Borges , UFMG

Estudante de Arquitetura e Urbanismo na Escola de Arquitetura da UFMG. Pesquisadora do Observatório dos Conflitos Urbanos de Belo Horizonte.
Contato: anaurbanoborges@gmail.com / (31) 99308-8771

Referências

ABRAHÃO, Sérgio Luís. Espaço Público, do urbano ao político. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2008.

BORGES, C. A cidade republicana: Belo Horizonte, 1897/1930. In: CASTRIOTA, L. Arquitetura da modernidade. Belo Horizonte: Ed.UFMG, 2017.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para um teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARDOSO, Patrícia de M. Águas de 8 de março de 2017, feministas e femininas. In: Direito à cidade: uma visão por gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

CASIMIRO, Lígia Maria Silva Melo de. As mulheres e o direito à cidade: um grande desafio no século XXI. In: Direito à cidade: uma visão por gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

CHOAY, Françoise. O urbanismo. São Paulo: Perspectiva, 1979.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FRANCO, Marielle, FRANCISCO, Mônica, TAVARES, Rossana. Nossos corpos, nossa cor, nossa cidade: os impactos causados pelas intervenções decorrentes dos grandes projetos de urbanização no Rio de Janeiro. In: Direito à cidade: uma outra visão de gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

GOMES, Paulo César da Costa. Espaços públicos: um modo de ser do espaço, um modo de ser no espaço. In: CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo César da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato. Olhares Geográficos. Rio de Janeiro: Bertrand, 2012.

HARVEY, David. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. Trad. Jeferson Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

MARQUES, Sabrina Duringon. Cidade, serás feminista! In: Direito à cidade: uma visão de gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

PINHEIRO, Valéria. O peso da vida urbana sobre os ombros das mulheres e a dimensão dos despejos forçados. In: Direito à cidade: uma outra visão de gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

RODÓ-DE-ZÁRATE, María. Hogares, cuerpos y emociones para una concepción feminista Del derecho a La ciudad. In: PERRONE, M. G. N.; GARZA, M. M. Apropriaciones de la ciudad: género y producción urbana. Barcelona: Pollen edicions, 2018.

SOARES, Vera. Políticas Públicas Para Igualdade: Papel Do Estado e Diretrizes. In: GODINHO, Tatau; SILVEIRA, Maria Lúcia da (Org.). Políticas Públicas e Igualdade De Gênero. São Paulo: Prefeitura de São Paulo - Coordenadoria Especial da Mulher, 2004.

SOUTO, Anna Luiza Salles. Gênero e cidades: violência, assédio e exclusão. In: Direito à cidade: uma outra visão de gênero. São Paulo: IBDU, 2017.

VAINER, Carlos. Palestra proferida no Seminário Nacional Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos, promovido pelo Programa Nacional de Capacitação das Cidades / Ministério das Cidades. Salvador, 6 a 8 de agosto de 2007.

VI O MUNDO. Diário da resistência: Hello Agência Digital. Entrevista com Carlos Vainer: Rio promove “limpeza urbana” e será mais desigual em 2016. Disponível em <https://www.viomundo.com.br/denuncias/carlos-vainer-com-pretexto-dos-megaeventos-riopromove-limpeza-urbana-e-sera-cidade-mais-desigual-em-2016.html>. Acesso em 03 de nov. 2018.

Publicado
07-04-2021