DA TECNOCRACIA AO PROTAGONISMO DA MULHER NO CENÁRIO DA PARTURIÇÃO

Palavras-chave: VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, PESSOAL DE SAÚDE, DIALOGICIDADE, PROTAGONISMO, COMPORTAMENTO COOPERATIVO

Resumo

Este artigo tem como objetivo abordar a violência obstétrica no cenário atual da parturição e as relações de poder que a perpassam. Trata-se de um estudo qualitativo descritivo, realizado no ano de 2016, por meio de entrevistas abertas a médicos e enfermeiros obstetras que atuam em serviços de obstetrícia em Belo Horizonte e região metropolitana. Percebe-se a dificuldade de alguns médicos em lidar com o protagonismo das mulheres; as dificuldades de inserção do enfermeiro obstetra na equipe de atenção ao parto e a proposta do modelo colaborativo e humanizado de assistência ao parto, centrado na mulher, como uma forma de enfrentamento da violência obstétrica.

Biografia do Autor

Mônica das Graças de Azevedo, UNA

Mestre em gestão social, educação e desenvolvimento local (UNA); enfermeira, especializada em obstetrícia pela UFMG, ORCID: 0000-0001-6717-007x.
Contato: ilymonic@yahoo.com.br / 986061547

Wania Maria de Araújo

Graduação em Serviço Social (1987/PUC-MINAS), graduação em Ciências Sociais (1990/UFMG), Mestrado em Ciências Sociais (2004/PUC-MINAS) e Doutorado em Ciências Sociais (2010/PUC-MINAS). Professora da Escola de Design | Universidade do estado de Minas Gerais (desde 1997 até o presente momento), professora do Mestrado em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local do Centro Universitário una (desde 2012 até o presente momento). Contato: waniamariaaraujo@gmail.com / (31) 99158-6321

Referências

ANDRADE, Briena Padilha.; AGGIO, Cristiane de Melo. Violência obstétrica: a dor que

cala. In: SIMPÓSIO GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS, 3, 2014, Londrina. Anais eletrônicos. Londrina: UEL p. 1-7. Disponível em:

<http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/arquivos/GT3_Briena%20Padilha%20Andrade.pdf>. Acesso em: 20 dez 2014.

ANDRADE, Priscyla de Oliveira Nascimento; SILVA, Jéssica Queiroz Pereira da; DINIZ, Cinthia Martins Menino; CAMINHA, Maria de Fátima Costa. (2016). Fatores associados à violência obstétrica na assistência ao parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife. Pernambuco. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil, n.16, 1: p. 29-37, jan-mar.

ARRUDA, Kelly Gonçalves Meira. Violência contra a mulher no parto: um olhar sobre a pesquisa da rede cegonha, 2015. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva), Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade de Brasília, Brasília.

BARBOZA, Luciana Pereira; MOTA, Alessivânia. Violência Obstétrica: Vivências de sofrimento entre gestantes do Brasil. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, v. 5, n. 1, 2016. Disponível em:

<https://www5.bahiana.edu.br/index.php/psicologia/article/view/847/0>. Acesso em 13 de

outubro de 2016.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº 36/2008 que dispõe sobre Regulamento Técnico para Funcionamento dos Serviços de Atenção Obstétrica e Neonatal. Disponível em:

<http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rdc-n-36-de-03-

de-junho-de-2008>. Acesso em 15 de maio de 2015.

BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Decreto n 94.406, de 08 de junho de 1987. Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/D94406.htm>. Acesso em 15 de

maio de 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento. Cadernos Humaniza SUS; v.4, Universidade Estadual do Ceará. – Brasília. 465 p. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Relatório de Recomendação. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC), Janeiro, 2016 a, 381 p, 2016 a. Disponível em: <http://conitec.gov.br/diretriz-nacional-de-atencao-ao-parto-normal>. Acesso em 15 de outubro de 2015.

BRASIL. CONSELHO FEDEREAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN Nº 0516/2016 Normatiza a atuação e a responsabilidade do Enfermeiro, Enfermeiro Obstetra e Obstetriz na assistência às gestantes, parturientes, puérperas e recém-nascidos nos Serviços de Obstetrícia, Centros de Parto Normal e/ou Casas de Parto e outros locais onde ocorra essa assistência; estabelece critérios para registro de títulos de Enfermeiro Obstetra e Obstetriz no âmbito do Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem, e dá outras providências,

b. Disponível em: <http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05162016_41989.html>. Acesso em 26 de mar. 2017.

CASATE, Juliana Cristina; CORRÊA, Adriana Katia. A humanização do cuidado na formação dos profissionais de saúde nos cursos de graduação. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 46, 2012. Disponível em:

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S008062342012000100029&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 12 fev. 2015.

DINIZ, Carmen Simone Grilo; NIY, Denise Yoshie; ADREZZO, Halana Faria de Aguiar; CARVALHO, Priscila Cavalcanti Albuquerque; SALGADO, Heloisa de Oliveira. A vagina-escola: seminário interdisciplinar sobre violência contra a mulher no ensino das profissões de saúde. Interface Botucatu, v. 20, 2016. Disponível em:

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141432832016000100253&lng=pt

&nrm=iso>. Acesso em 20 jun. 2016.

FOUCAULT, M. Crise da medicina ou crise da antimedicina. Revista Verve, [S.l.], v. 18, p. 167-194, 2010. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/verve/article/view/8646>. Acesso em 13 de agosto de 2020.

GALLICHIO, Enrique. Empoderamento, teorias de desenvolvimento e desenvolvimento local na América Latina. In: ROMANO, Jorge O.; ANTUNES, Marta (Org.). Empoderamento e Direitos no Combate à Pobreza. Rio de Janeiro: ActionAid Brasil, 2002, p. 67-90. Disponível em: <http://187.45.205.122/Portals/0/Docs/empoderamento.pdf>. Acesso em 12 ago. 2019.

GARCIA, Gabriela Almonte. Violencia ginecológica y obstétrica: La medicalización Del cuerpo femenino. Revista Décsir. EAM. México, v.2, 2016. Disponível em: <http://decsir.com.mx/wp-content/uploads/2016/03/1-indagaciones.pdf>. Acesso em 13 de maio de 2016.

JEWKES, Rachel; KEKANA, Loveday Penn. Mistreatment of women in childbirth: time for action on this important dimension of violence against women. PLoS Med. vol. 12, 2015. Disponível em:

<http://journals.plos.org/plosmedicine/article?id=10.1371/journal.pmed.1001849.>. Acesso

em 13 de maio de 2016.

KONDO Cristiane; WERNER, Lara. Violência obstétrica e sua configuração no Brasil. In: STEFANO, Daniela; MENDONÇA, Maria Luisa (org.). Direitos Humanos no Brasil: Relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos. São Paulo: Expressão popular, p. 139-144, 2013.

LEAL, Maria do Carmo; PEREIRA, Ana Paula Esteves; DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira; FILHA, Mariza Miranda Theme; DIAS, Marcos Augusto Bastos; NAKAMURA-PEREIRA, Marcos; BASTOS, Maria Helena; GAMA, Silvana Granado Nogueira. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cadernos de Saúde Pública. vol. 30, 2014. Disponível em:

<http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0017.pdf.>. Acesso em 23 de agosto de 2015.

LUZ, Nina Franco; ASSIS, Thaís Rocha; REZENDE, Fabrícia Ramos. Puérperas adolescentes: percepções relacionadas ao pré-natal e ao parto. ABCS Health Science. vol. 40, 2015. Disponível em: <http://www.revistarene.ufc.br/edicaoespecial/a05v11esp_n4.pdf>. Acesso em: 10 de novembro de 2016.

MARTIN, Emily. A mulher no corpo: uma análise cultural da reprodução. Rio de Janeiro, Editora Garamond, 2006, 378 p.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Maternidade segura. Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra (SUI): OMS, 1996.

PEREIRA, Carlota; DOMINGUEZ, Alexa; TORO, Judith. Violencia obstétrica desde la perspectiva de la paciente. Rev. ObstetGinecolVenez, vol. 75, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.org.ve/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S004877322015000200002&lng=es&nrm=iso>. Acesso em 27 de janeiro 2017.

POZZIO, Maria Raquel. La gineco-obstetricia en México: entre el "parto humanizado" y La violência obstetrica. Rev. Estud. Fem., vol. 24, 2016. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104026X2016000100101&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 28 jan. 2017.

RATTNER, Daphne. Humanização na atenção a nascimentos e partos: ponderações sobre

políticas públicas. Interface, Botucatu, vol. 13, 2009. Disponível em:

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141432832009000500027&lng=e

n&nrm=iso>. Acesso em 01 abril 2015.

SENA, Ligia Moreiras; TESSER, Charles Dalcanale. Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Interface Botucatu, vol. 21, 2017. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832017000100209&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 28 jan. 2017.

SERRUYA, Suzanne Jacob. A arte de não fazer o errado e fazer o certo! Cad. Saúde Pública, vol. 30, 2014. Disponível em:

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2014001300008&lng=e

n&nrm=iso>. Acesso em 13 abr. 2015.

SILVEIRA, Fernando de Almeida; FURLAN, Reinaldo. Corpo e Alma em Foucault: Postulados para uma Metodologia da Psicologia. Psicol. USP, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 171-194, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642003000300012&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 16 agosto 2020.

SOUZA, Agnnes Caroline Alves; VALENTE, Márcio Bruno Barra. Violência Obstétrica: um desafio para psicologia HumanÆ. Questões controversas do mundo contemporâneo, vol. 10, 2016. Disponível em:http://humanae.esuda.com.br/index.php/humanae/article/view/521/152>. Acesso em 23 de setembro 2015

SOUZA, João Paulo; PILEGGI-CASTRO, Cynthia. Sobre o parto e o nascer: a importância

da prevenção quaternária. Cad. Saúde Pública, vol. 30, 2014. Disponível em

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2014001300003&lng=p

t&nrm=iso>. Acesso em 01 abr. 2015.

TESSER Charles Dalcanale; KNOBEL, Roxana; ANDREZZO; Halana Faria de Aguiar; DINIZ, Simone Grilo. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, vol.10, 2015. Disponível em:

mpState/Downloads/1013-7112-1-PB%20(1).pdf >. Acesso em 16 de março de 2016.

VENTURI, Gustavo; GODINHO, Tatau. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo e Editora SESC, 2013.

VINUTO, Juliana. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em

aberto. Revista Temáticas, vol. 22, 2014. Disponível em:

<https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/tematicas/article/view/2144/1637>. Acesso em:

de dezembro de 2016.

Publicado
07-04-2021