DESIGUALDADE DE GÊNERO NA FORMAÇÃO EDUCACIONAL STRICTO SENSU

  • Cláudia Aparecida Avelar Ferreira Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Simone Costa Nunes
Palavras-chave: GÊNERO, MULHERES NEGRAS, RAÇA, DESIGUALDADE, EDUCAÇÃO, DISCENTES

Resumo

O objetivo deste estudo é discutir a intersecção de gênero/raça/classe como veículo de desigualdade social no Brasil. Para tanto, foram utilizados dados do portal da Capes (2018), numa abordagem quantitativa, tendo como recorte mulheres discentes, brancas e negras, ingressas em instituições de ensino superior. Enfatiza-se a importância das políticas públicas e do debate acerca do acesso à educação e ao mercado de trabalho dessas mulheres negras. A contribuição do estudo está em apresentar um retrato das desigualdades existentes entre mulheres negras e mulheres brancas, em termos da formação educacional stricto sensu, além de cobrir uma lacuna na área da Administração, ao trazer a questão da educação como empecilho para a inserção ao mercado de trabalho, cada vez mais competitivo e com subjetividades em seu interior, relacionadas ao sexismo e o racismo.

Biografia do Autor

Cláudia Aparecida Avelar Ferreira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Doutora em administração pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC MINAS). Mestre em Administração pelo Centro Universitário UNA. Graduação em farmácia e bioquímica. Especializações em Administração de Serviços de Saúde e Saúde Pública (UNAERP), MBA em Gestão de Organizações Hospitalares e Serviços de Saúde (FGV) e Assistência Farmacêutica no SUS (UFSC). Grupo de Pesquisa GEDI- Grupo de Estudos de Gestão, Diversidade e Inclusão.
ORCID: http://orcid.org/0000-0002-8802-1716
Contato: claudiahgv@gmail.com / (31) 3319-4957

Simone Costa Nunes

Docente do Programa de Pós-Graduação em Administração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC MINAS). Doutorado e Mestrado em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora Adjunta da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/PUC Minas). Líder do GEDI / CNPq (Grupo de Estudos em Gestão, Diversidade e Inclusão). Membro da Comissão Científica (2021) do ISMABR - International Stress Management Association no Brasil. Editora Associada da RAM - Revista de Administração Mackenzie, na área de Gestão Humana e Social nas Organizações. Experiência profissional na área de Administração (organizações e recursos humanos). Temas de interesse em pesquisa sobre a temática Gestão da Diversidade: Pessoas com Deficiência; Raça; Gênero; Diversidade Sexual.
ORCID: http://orcid.org/0000-0002-7573-7985
Contato: sinunes@pucminas.br / (31) 3319-4957

Referências

ARRETCHE, M. (Org.). Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: Editora Unesp, CEM, 2015.

ABRAMO, L. Desigualdades de gênero e raça no mercado de trabalho brasileiro. Ciência e Cultura, v. 9, n. 2, p. 257-265, dez. 2005.

BAPTISTA, R.M.; BANDEIRA, M.L.; SOUZA, M.T.S. A invisibilização do negro no trabalho escravo contemporâneo: evidências a partir das condições de vulnerabilidade social. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 25, n. 87, p. 676-703, out./dez. 2018.

BENTO, M.A.S. A mulher negra no mercado de trabalho. Estudos feministas, v. 3, n, 2, p. 479-488, 1995.

BERLATO, H.; CORREA, K. F. (2017). A reformulation of the dual career conceptual model for analysis in an organizational scope: revealing new aspects. BBR- Brazilian Business Review, v. 14, n. 2, p. 225-246, 2017.

BERTH, J. O que é empoderamento? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BILGE, S. Théorisations féministes de l’intersectionnalité. Diógenes, v. 225, n. 1, p. 70-88, 2009.

BIROLI, F.; MIGUEL, L.F. Gênero, raça, classe: opressões cruzadas e convergências na reprodução das desigualdades. Mediações- Revista de Ciências Sociais, v. 20, n. 2, p. 27-55, jul./dez. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Portal Capes, 2018. Discentes da pós-graduação stricto sensu do Brasil. Disponível em: <https://dadosabertos.capes.gov.br/dataset/2017-2020-discentes-da-pos-graduacao-stricto-sensu-do-brasil > . Acesso em 9 nov. 2019.

CACCIAMALI, M.C.; HIRATA, G. I. A influência da raça e do gênero nas oportunidades de obtenção de renda- uma análise da discriminação em mercados de trabalho distintos: Bahia e São Paulo. Estudos Econômicos, v. 35, n. 4, p. 767-795, dez. 2005.

CAPES. Manual para a elaboração do Plano de Dados Abertos do MP. Disponível em:

https://www.capes.gov.br/images/stories/download/acessoainformacao/24042017-dados-abertos-r.pdf>.

CARNEIRO, S. Gênero raça e ascensão social. Estudos Feministas, v. 3, n. 2, p. 544-552, 1995.

CHO, S.; CRENSHAW, K. W.; MCCALL, L. Rumo a um campo de estudos de interseccionalidade: teoria, aplicações e práxis. Signs: Journal of Women in Culture and Society, v. 38, n. 4, p. 785-810, 2013.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e Pós-graduação. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CORRÊA, M. Sobre a invenção da mulata. Cadernos Pagu, v. 6, n. 7, p. 35-50, 1996.

COSTA, R. G. Mestiçagem, racialização e gênero. Sociologias, v.11, n. 21, p. 94 -120, jan./jun. 2009.

CRENSHAW, K. Mapping the margins: intersectionality, identity politics and violence against women of color. Stanford Law Review, v. 46, n. 6, p. 1241-1299, July 1991,1993.

DAFLON, V. T.; FERES JÚNIOR, J.; CAMPOS, L.A. Ações afirmativas raciais no ensino superior público brasileiro: um panorama analítico. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 148, p. 302-327, jan./abr. 2013.

DESOUZA, E.M. Processos de radicialização: inteligibilidade, hibridade e identidade racial em evidência. Revista Economia & Gestão, v. 17, n. 48, p. 23-42, set./dez. 2017.

FERREIRA, L. Menos de 3% entre docentes na pós-graduação, doutoras negras desafiam o racismo na academia, junho de 2018. Disponível em: <http://www.generonumero.media/menos-de-3-entre-docentes-doutoras-negras-desafiam-racismo-na-academia/> . Acesso em 20 dez de 2018.

FERREIRA, C.A.A.; NUNES, S.C. Mulheres negras no mercado de trabalho: interseccionalidade entre gênero, raça e classe social. In: Encontro da ANPAD, 43., 2019, São Paulo, SP. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2019.

FRIO, G.S.; FONTES, L.F. C. Diferenças salariais devido à raça entre 2002 e 2014 no Brasil: evidências de uma decomposição quantílica. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 25, n. 87, p. 568-588, out./dez. 2018.

GONÇALVES, C. A.; MEIRELLES, A. M. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2004.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: SILVA, L. A. et al. Movimentos sociais urbanos, minorias e outros estudos. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS n. 2, p. 223-244, 1983.

HIRATA, H. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73, jun. 2014.

IANNI, O. Dialética das relações raciais. Estudos Avançados, v. 18, n. 50, p. 21-30, abr. 2004.

INSTITUTO NACIONAL DE LAS MUJERES, Glosario de género [en línea], México, Inmujeres, en Observatorio de los Medios de Comunicación/Inconfórmate, celebra y participa/Glosario [consultado el 27 de julio de 2007] en http://www.inmujeres.gob.mx/dgpe/observatorio/cafe/glosario2.html

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estatísticas Sociais. Agência IBGE Notícias. Carmen Nery. 06/11/2019 10h00, atualizado em 07/11/2019 09h43, 2019a. Disponível em:<https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/25882-extrema-pobreza-atinge-13-5-milhoes-de-pessoas-echega-ao-maior-nivel-em-7-anos> . Acesso 8 nov 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estatísticas Sociais. Agência IBGE Notícias. Cristiane Crelier. 06/11/2019 10h00, atualizado em 06/11/2019 16h50, 2019b. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/25879-pretos-ou-pardos-representam-dois-tercosdos-subocupados-em-2018>. Acesso em 8 nov. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD)/2015. Rio Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: <https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18319-cor-ou-raca.html>. Acesso em 19 abr. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estatísticas de Gênero. Uma análise dos resultados do censo demográfico 2010. Estudos & Pesquisas, 33, Rio Janeiro: IBGE, 2014.

KERGOAT, D. O cuidado e a imbricação das relações sociais. Org. ABREU, A.R.P.;

HIRATA, H.; LOMBARDI, M.R. Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 17-26.

MACHADO JÚNIOR, C.; BAZANINI, R.; MANTOVANI, D.M.N. O mito da democracia racial no mercado de trabalho: análise crítica da participação dos afrodescendentes nas empresas brasileiras. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 25, n. 87, p. 632-655, out./dez. 2018.

MALLOTRA, N.K. Pesquisa de marketing: uma concepção aplicada. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MARIANO, S. A.; CARLOTO, C. M. Gênero e combate à pobreza: programa bolsa família. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 3, p. 901-908, dez. 2009.

MARIANO, S. A.; CARLOTO, C. M. Aspectos diferenciais da inserção de mulheres negras no Programa Bolsa Família. Sociedade e Estado, Brasília, v. 28, n. 2, p. 393-417, mai./ago. 2013.

PINTO, C. R. J. Feminismo, história e poder. Revista Sociologia Política, v. 18, n. 36, p. 15-23, 2010.

QUATTROCCHI, P. et al. Motivación y género en la elección de carrera. Revista de Educación y Desarrollo, v. 41, p. 27-35, 2017.

RIBEIRO, D. Feminismo negro para um novo marco civilizatório. Revista Internacional De Direitos Humanos, São Paulo, v. 13, n. 24, p. 99-104, nov. 2016.

RIBEIRO, C.A.C.; SCHLEGEL, R. Estratificação horizontal da educação superior no Brasil: 1960-2010. In: ARRETCHE, M. (Org.). Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: Unesp, CEM, 2015. p. 133-162.

SÁ-SILVA, J.R.; ALMEIDA, C.D.; GUINDANI, J.F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, ano 1, n.1, jul. 2009.

SARTI, C. Feminismo no Brasil: uma trajetória particular. Cadernos de Pesquisa, n. 64, p. 38-47, fev. 1988.

SCOTT, J.W. Gender: a useful category of historical analysis” in: Gender and the politics of history, New York, Columbia Univ. Press (ou na tradução: Gênero: uma categoria útil de análise histórica). Educação & Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-9, 1990.

SILVA, S. M. C.; LUCAS, A. The issue of gender and race in career progress and labor market. REGE- Revista de Gestão, v. 25, n. 1, p. 2-8, mar. 2018.

SOUZA, A. A. Cor e ascensão profissional: negros em cargos de comando. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014.

SPIVAK, G. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

VARGAS, H.M. Sem perder a majestade: “profissões imperiais” no Brasil. Estudos de Sociologia, v. 15, n. 28, p. 107-124, 2010.

VERA, M.A. Feminismos contemporáneos: más allá del sujero político mujer, material del curso Introducción a las teorías feministas, impartido en UAbierta, Universidad de Chile, 2019.

VIEIRA, A.; AMARAL, G. A. A arte de ser beija-flor na tripla jornada de trabalho da mulher. Saúde e Sociedade, v. 22, n. 2, p. 403-414, 2013.

WADE, P. Interacciones, relaciones y comparaciones. In: ANDREWS, G.R.; FUENTE, A. (Coords). Estudos afrolatino-americanos: uma introdução. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2018. p. 117-160.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

WOLLSTONECRAFT, M. A Vindication of the rights of woman. Disponível em: <https://scholarsbank.uoregon.edu/xmlui/bitstream/handle/1794/785/vindication.pdf?sequenc

e=1>. Acesso em: jul. 2011.

WOLLSTONECRAFT, M. Reivindicação dos direitos da mulher. Trad. de Ivania Pocinho Motta. São Paulo: Boitempo, 2016.

Publicado
07-04-2021