Revisão de textos: entre a teoria e a prática

Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

Para o revisor, o importante não é o que ele sabe, mas o que ele
está consciente de não saber ou, pelo menos, não saber totalmente,
e que por isso exige permanente verificação. (…) O revisor não
lê como todos os demais homens lêem, ele fotografa a palavra
visualmente (…) O exercício da profissão do revisor pode ser
descrito, perfeitamente, como uma “leitura angustiada”. O seu
trabalho é, justamente, evitar que todos os outros seres humanos
necessitem fazer essa leitura angustiada (BRISAAUD, 1998)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Maria da Penha Casado. Um olhar dialógico sobre a atividade de revisão de textos escritos: entrelaçando dizeres e fazeres. 172 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) –

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf Acesso em: set. 2015.

CHARTIER, Roger. Do palco à página. Publicar teatro e ler romances na época moderna – séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

CHARTIER, R. Inscrever e apagar: Cultura escrita e literatura, séculos XI-XVIII. Trad. Luzmara Curcino Ferreira. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

COSTA, Roger Vinícius; RODRIGUES, Daniella Lopes; PENA, Daniela Paula. Dificuldades no trabalho do revisor de textos: possíveis contribuições da linguística. Revista Philologus, ano 17, n. 51, set./dez. 2011 – Suplemento. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2011. p. 74. Disponível em: http://www.filologia.org.br/revista/51supl/05.pdf. Acesso em: ago. 2015.

HERMONT, Arabie Bezri.; ASSUMPÇÃO, Solange Bonomo. Educação a distância: como revisar os materiais didáticos. Scripta, Belo Horizonte, v. 14, n. 26, p. 179-194, 1º sem. 2010.

HEURLEY, Laurent. La revisión de texte: l’approche de la psychologie cognitive. Langages, Paris, n. 164, p. 10-25, 2006. Disponível em: http://www.vcharite.univ-mrs.fr/redactologie/

IMG/pdf/Heurley_Revision.pdf. Acesso em: ago. 2015. KATO, M. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. São Paulo: Ática, 1998.

MALTA, Luiz Roberto. Manual do revisor. São Paulo: WVC, 2000. MATENCIO, Maria de Lourdes Meireles. Atividades de retextualização em práticas acadêmicas: um estudo do gênero resumo. Scripta, Belo Horizonte, v. 6, n. 11, p. 25-32, 2002.

MOURÃO, E. A hipercorreção na escrita formal: dilemas do revisor de textos. Scripta, Belo Horizonte, v. 14, n. 26, p. 195-204, 2010.

MUNIZ JR., José de Souza. A intervenção textual como atividade discursiva: considerações sobre o laço social da linguagem no trabalho de edição, preparação e revisão de textos.

In: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Curitiba, PR – 4 a 7 de setembro de 2009. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-1079-1.pdf. Acesso em: ago. 2015.

MEDRADO, Benedito. Textos em cena: a mídia como prática discursiva. In: SPINK, Mary, Jane. Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, 1999.

NETO, Aristides, Coelho. Além da revisão: critérios para revisão textual. 3 ed. Brasília: Editoria Senac, 2013.

OLIVEIRA, Risoleide Rosa Freire de. O papel mediador do revisor de textos: dos aspectos discursivos aos aspectos notacionais. XXI Jornada Nacional de Estudos Linguísticos. João Pessoa: s. ed., 2006. p. 2483-2492.

PASSOS, João Augusto de Oliveira; SANTOS, Maria Lino dos. Leituras, revisão textual e o revisor. Revista Anápolis Digital, n. 7, 2011. Disponível em: http://www.anapolis.

go.gov.br/revistaanapolisdigital/wp-content/uploads/2011/07/ LEITURAS-REVISAO-TEXTUAL-E-O-REVISOR.pdf. Acesso em: ago. 2015;

PERPÉTUA, Elzira Divina; GUIMARÃES, Raquel Beatriz Junqueira. A revisão do texto literário: um trabalho de memória. Scripta, Belo Horizonte, v. 14, n. 26, p. 195-204, 2010.

REUTNER, Ursula. De nobis ipsis silemus? As marcas de pessoa em artigo científico. In: ASSIS, Juliana Alves; RINCK, FANNY; Boch, Françoise (org.) Letramento e Formação Universitária:

formar para a escrita e pela Escrita. São Paulo: Mercado de Letras, 2015.

RIBEIRO, Ana Elisa. Revisão de textos e “diálogo” com o autor: abordagens profissionais do processo de produção e edição textual. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 32, 2009, Curitiba. Anais... Curitiba:Intercom, 2009. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-2050-1.pdf. Acesso em: 20 jul. 2012.

RODRIGUES, Daniella Lopes Dias Ignácio. Aspectos interacionais dos textos institucionais. Scripta, Belo Horizonte, v. 14, n. 26, p. 121-162, 2010.

RODRIGUES, Daniella Lopes Dias Ignácio. Para além da normalização: aspectos discursivos das normas de padronização. Scripta, Belo Horizonte, v. 19, n. 36, 2º sem. 2015. (No prelo)

SALGADO, Luciana Salazar. Ritos genéticos editoriais: uma abordagem discursiva da edição de textos. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 57, p. 253-276, dez.

http://www.scielo.br/pdf/rieb/n57/11.pdf. Acesso em: ago. 2015.

Publicado
18-02-2016
Como Citar
Rodrigues, D. L. D. I. (2016). Revisão de textos: entre a teoria e a prática. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(26), 1-8. Recuperado de http://seer.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/11446